sábado, 18 de setembro de 2021

O MAR E O CORAÇÃO

Vendo o mar quando está em calmaria

Tudo é belo e ali não há estrago

É até semelhante a um grande lago

Tanto faz ser de noite ou ser de dia

Mas na hora que surge a ventania

O barulho é como uma explosão

Vêm as ondas em grande agitação

Isso ao coração é comparado

Como o mar que é calmo e agitado

Desse jeito é também o coração.


Coração transbordante de amor

É tranquilo e é bem fortalecido

Se é calmo, jamais fica abatido

Por estresse, angústia ou dissabor

Mas quer ver coração ser sofredor

Ele queime no fogo da paixão

Vem depressa o aumento da pressão

É igual a um mar alvoroçado

Como o mar que é calmo e agitado

Desse jeito é também o coração.


Coração oscilante permanece

Quando o medo lhe causa um bombardeio

Só parece um oceano cheio

Que na fúria estronda e estremece

No momento que o coração padece

Atingido por uma ingratidão

Só o bálsamo do amor e do perdão

É quem pode deixá-lo acalmado

Como o mar que é calmo e agitado

Desse jeito é também o coração.


Autor: Zé Bezerra

 

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

ELE VAI E VEM

 Astro rei, majestoso é seu farol

A lanterna maior da natureza

Os seus raios exibem mais beleza

Logo assim que termina o arrebol

Todo o protagonismo tem o sol

Quando o nosso planeta alumia

A luminosidade que irradia

Não se sabe ao certo de onde sai

Na chegada da noite o sol se vai

Na certeza que vem no outro dia.


Doze horas direto a clarear

Vale, monte, sertão, baixio e serra

Enseada, planície, mar e terra

Mas se a terra não para de girar

Essa face vai ter que se ocultar

Com a noite que vem e tudo esfria

Já na outra o dia inicia

Tudo é bem sustentado e nada cai

Na chegada da noite o sol se vai

Na certeza que vem no outro dia.


No seu tempo marcado de ir embora

O sol vai e só deixa escuridão

Sua luz foca outra região

Noutra banda do mundo ela aflora

Mas já é aguardada nova aurora

E o sol volta com toda energia

Traz vigor, esperança e alegria

Vem na hora marcada e tudo atrai

Na chegada da noite o sol se vai

Na certeza que vem no outro dia.


Autor: Zé Bezerra


sábado, 28 de agosto de 2021

OS QUE QUEREM SER OUVIDOS

Há pessoas solitárias

e por estarem sozinhas

querem partilhar seus dramas

para trilhar novas linhas

na busca de um bem-estar

a fim de amenizar

algum transtorno que têm

elas atentas pelejam

muitas pessoas desejam

ser ouvidas por alguém.


Comparam-se com as músicas 

que devem ser escutadas

suas queixas aos outros

insistem em ser divulgadas

vivem procurando um jeito

para arrancarem do peito

o que maltratando vem

em qualquer canto que estejam

muitas pessoas desejam

ser ouvidas por alguém.


Querem fazer desabafos

com seus questionamentos

diminuindo tensões

estresses e desalentos

tendo oportunidade

aplacam ansiedade

e quando se sentem bem

esses momentos festejam

muitas pessoas desejam 

ser ouvidas por alguém.


Pra sair do ostracismo

e exclusão social

melhorando as relações

chegando a ter bom astral

isso é bom que elas tentem

extravasando o que sentem

e satisfeitas também

 bem humoradas gracejam

muitas pessoas desejam 

ser ouvidas por alguém.


Autor: Zé Bezerra






 

sexta-feira, 27 de agosto de 2021

VALORIZAR O QUE É NOSSO

O que é útil pra gente

estando a nosso serviço

deve-se aproveitar disso

servindo aos outros também

pra cada vez mais valer

É BOM A GENTE APRENDER 

A DAR VALOR O QUE TEM.


Estar de posse de algo 

por esse pertencimento

se não valer cem por cento

mas chega perto dos cem

se está em função do ser

É BOM A GENTE APRENDER

A DAR VALOR O QUE TEM.


O que é próprio da gente

deve-se valorizar

o valor que a gente dar

é oportuno e convém

ser tido como um dever

É BOM A GENTE APRENDER

A DAR VALOR O QUE TEM.


É bom ter esse propósito

É bom dessa forma agir

É bom o prazer sentir

É bom focar-se no bem

É bom boa gente ser

É BOM A GENTE APRENDER

A DAR VALOR O QUE TEM.


Autor: Zé Bezerra 

 

domingo, 22 de agosto de 2021

VERSEJANDO SOBRE FOLCLORE

Folclore é tudo que mostra

os costumes de uma gente

provérbios de antigamente

exemplos de arte pura

zelo pela tradição

folclore é a expressão 

mais forte de uma cultura.


Bumba meu boi é folclore

o frevo, o maracatu

"Patu Dançar" de Patu

reisados do Ceará

São João com seus arraiais

Cavalhadas de Goiás

E o carimbó do Pará.


E as cantigas de roda

pra que ninguém ignore

isso também é folclore

a ciranda está no jogo

pau no gato também é 

tem marré, marré, marré

e o circo pegou fogo.


Comidas como canjica

pamonha, bolo e pipoca

arroz doce, tapioca

carreteiro e vatapá

mão de vaca com fussura

mel de cana e rapadura

sarapatel, mungunzá.


O folclore está presente

nas músicas da região

na lambada, no baião

e no samba rebolado

no xote, marcha e rancheira

no pop e na galopeira

no suing e no xaxado.


Enfim o folclore está 

nas artes do nordestino

bonecos de Vitalino

nos gênios de nossa gente

dentro e fora da escola

no cantador de viola

improvisando repente.


Autor: Zé Bezerra

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

LIDANDO COM O ESTRESSE

Na vida do ser humano

A calma não prevalece

Adversidades surgem

Perturbação aparece

E mais problemas afins

São muitas coisas ruins

Causadoras do estresse.


Sobrecarga de trabalho

Problemas familiares

Conflitos, doenças, mortes

Preocupações, pesares

Também retiram sossego

Muita dúvida e desemprego

E mais males similares.


Tudo isso certamente

Faz o estresse crescer

No entanto, é necessário

Lutar para combater

Esse vexame da vida

Pra isso há uma saída

Criar fontes de prazer.


Fontes que possibilitem 

Brandura e serenidade

Delicadeza e afago

Paciência e liberdade

Fineza, boa atitude

Calmaria e quietude

Paz, amor, felicidade.


Alivia-se as tensões

Praticando uma ação boa

Com trabalhos voluntários

Pra não se sentir à toa

E dar a volta por cima

Manter firme a autoestima

É bom pra qualquer pessoa.


Uma dieta saudável

Ajuda muito também

As atividades físicas

Não podem ficar além

Caminhar por meia hora

Faz o estresse ir embora

Enquanto o bem-estar vem.


Boas leituras, bons filmes

Ter amigos, viajar

Animais de estimação

De plantas, poder cuidar

Participar de eventos

Orar, tocar instrumentos

Dançar, sorrir e cantar.


Não há quem cure o estresse

Por isso ele é permanente

Mas pode-se combatê-lo

Com um cuidado frequente

Seus impulsos controlando

Para ele ser mais brando

Sem perturbar tanto a gente.



Autor: Zé Bezerra

sábado, 7 de agosto de 2021

HUMANO EU SOU

 Tenho algumas qualidades

mas muitos são meus defeitos

enfrento adversidades

para assegurar direitos

se usufruo prazeres

mas cumpro com os deveres

em qualquer lugar que estou

busco a paz em todo canto

não sou profano nem santo

humano é isso que eu sou.


Procuro dar diretriz

aos meus projetos de vida

para os quais eu sempre quis

ter a meta definida

com mais firmeza nos passos

para conquistar espaços

por um bom caminho vou

ter sucesso não garanto

não sou profano nem santo

humano é isso que eu sou.


Como ser humano tenho

insegurança, incerteza

mostro pouco desempenho

nos momentos de fraqueza

mas dando a volta por cima

equilibro a autoestima

prova de coragem dou

caio e logo me levanto

não sou profano nem santo

humano é isso que eu sou.


Os fatos bons acontecem

os maus também vêm às telas

se tentações aparecem

procuro livrar~me delas

pra achar  caminho certo

de Deus tento ficar perto

lembro o que Cristo ensinou

fico calmo e sem espanto

não sou profano nem santo

humano é isso que eu sou.


Autor: Zé Bezerra



quinta-feira, 29 de julho de 2021

A BELEZA DA FLOR (soneto)











Enche-me os olhos a beleza de uma flor

Não canso de olhá-la a qualquer hora

As suas belas pétalas, o seu odor 

A deixa bem mais linda em meio à flora.


Paro para vê-la assim que rompe a aurora

Igual astro recheado de esplendor

Sua essência que se exala mundo a fora

Sobre o ar fica até o sol se pôr.


O esmêro no feitio que ela tem

Pode ser indiferente para quem

Parece ser arredio à beleza.


Fora disso seus encantos são tantos

Linda flor, és tão repleta de encantos

Que me deixam conectado à NATUREZA.



Autor: Zé Bezerra






segunda-feira, 26 de julho de 2021

SORRISO ESCONDIDO













Dos males da pandemia

devemos nos defender

a máscara surgiu pra ser

usada no dia a dia

oferece garantia

protege o que é preciso

usá-la faz bom juízo 

em qualquer ocasião

a máscara dá proteção

mas nos esconde o sorriso.


Nessa temporada rara

de coisas ruins e boas

enxergamos nas pessoas

só a metade da cara

sabe-se que a máscara ampara

do que nos dá prejuízo

de um vírus impreciso

livra a contaminação

a máscara dá proteção

mas nos esconde o sorriso.


Um sorriso encantador

que ao peito causa abalo

não podendo contemplá-lo

o coração sente dor

as instâncias do amor

ficam de sobreaviso

porque dessa forma o riso

fica fora da visão 

a máscara dá proteção 

mas nos esconde o sorriso.


Vem sendo assim desse jeito

um tempo que vai além

o rosto belo de alguém

não dá para ver direito

o nosso olhar fica estreito

e até perturba o juízo

o ego dá o aviso

pra cumprir a restrição

a máscara dá proteção

mas nos esconde o sorriso.


Autor: Zé Bezerra



 

sexta-feira, 23 de julho de 2021

TRILHAR O CAMINHO DE DEUS










Deus mostra a nós um caminho

Por ele devemos ir

É o caminho do bem

Que na vida faz fluir

Esperança, fé e paz

Esse é o que nos apraz

Por ele vamos seguir.


Para isso é bom fazer

O melhor que se puder

Livrando-se dos entraves

Esteja onde estiver

Para o mal não praticar

O importante é trilhar

O caminho que Deus quer.


Seguir essa trilha é 

Primar pela liberdade

Aderir aos critérios 

Da vida em comunidade

Detestar o egoismo

Munir-se de otimismo

Justiça e fraternidade.


Aos problemas que surgem

Não ficar indiferente

Mantendo a serenidade

Pra poder seguir em frente

Se sopram contrários ventos

Focar nos bons pensamentos

Pra não poluir a mente.


Tratando com igualdade

Gigantes e pigmeus

Tendo como bússola a fé

Mas respeitando os ateus

Com ações de gente boa

É só assim que a pessoa 

Trilha o caminho de Deus.


Autor: Zé Bezerra





 

segunda-feira, 19 de julho de 2021

QUANDO A FÉ PODE CRESCER









Nas horas de aflição

diante das incertezas

nos temores, nas surpresas

num trânsito de contramão

se caminhamos em vão

seguindo de marcha ré

imaginamos até 

na esperança perdida

é nos estreitos da vida

que alargamos a fé.


Em cada tropeço dado

a fé que em nós se hospeda

pra nos levantar da queda

mostra um rumo a ser tomado

quando se tem caminhado 

firmando no chão o pé

o vigor da vida é

tal qual a planta florida

é nos estreitos da vida

que alargamos a fé.


São nos tempos nebulosos

nas desertas travessias

seguindo em estreitas vias

nos terrenos pedregosos

em lugares espinhosos

difíceis de por o pé

que nossa existência é 

para Deus mais convertida

é nos estreitos da vida

que alargamos a fé.


Colocamos Deus ausente

nos aprazíveis momentos

mas chegando os sofrimentos

a fé aumenta na gente

depois de indiferente

no estilo de Tomé

nos dirigimos à Sé 

que quem crê jamais duvida

é nos estreitos da vida

que alargamos a fé.


Autor: Zé Bezerra








 

quinta-feira, 15 de julho de 2021

A VIDA ENSINA A SER FORTE









Na vida há tempos de glória

de quedas e embaraços

é importante lutar 

pra superar os fracassos

é ótimo compreender

o sentido do viver

tendo a fé como suporte

isso nos traz fortaleza

nos momentos de fraqueza

a vida ensina a ser forte.


Quantas lições importantes

estão no livro da vida

sempre orientando como

estar de cabeça erguida

como palmilhar nos trilhos

encarando os empecilhos

tentando encontrar um norte

se vem as contradições

em meio as desilusões

a vida ensina a ser forte.


Nas situações diversas

a cada dia, a vivência

mostra novos horizontes

e formas de experiência

Que em todos os momentos

trazem bons ensinamentos

com um valioso aporte

aplacando as tempestades

que nas adversidades

a vida ensina a ser forte.


A vida é o dom maior

de Deus o grande presente

da sua magnitude 

deve -se estar consciente

primeiro é preciso amá-la 

protegê-la, respeitá-la

e defendê-la da morte

em um inditoso drama

se alguém cair na lama

a vida ensina a ser forte.


Autor: Zé Bezerra







quarta-feira, 30 de junho de 2021

OS SEGREDOS DO REPENTE












No capinzal do baixio

na poeira da estrada

na ribanceira do rio

no canto da passarada

nas flores da jitirana

no caldo doce da cana

na fadiga do sol quente

na frieza do luar

a gente pode encontrar 

OS SEGREDOS DO REPENTE.


Num forró bem animado 

na noite de São João

no sabor do milho assado

nas debulhas de feijão

na quentura da fogueira

na crença da rezadeira

no matuto experiente

que nunca brinca em serviço

dá pra ver em tudo isso

OS SEGREDOS DO REPENTE.


Numa ovelha que berra

no apito do  nhambu

nas grutas do pé da serra 

na flor do mandacaru

no camponês da mão grossa

que numa humilde palhoça

bem sentado no batente

come arroz numa tigela

o seu jeitão nos revela

OS SEGREDOS DO REPENTE.


Nos frutos do camará 

nas flores do calumbi

nas folhas do jatobá

no puro mel da jati

nos espinhos da jurema

no cheiro da alfazema

no canto triste e dolente

da cauã e do anum

faz mostrar a qualquer um

OS SEGREDOS DO REPENTE.


Na febre da inspiração

na verve do repentista

na luz da imaginação

nas ideias do artista

numa viola afinada

numa noite enluarada

numa toada estridente

nos baiões bem sustenidos

aí estão embutidos

OS SEGREDOS DO REPENTE.


Autor: Zé Bezerra





 

domingo, 27 de junho de 2021

O QUE É SAUDADE










É um sentimento forte

que se instala no peito,

só o amor dá um  jeito

para o alívio da dor,

a saudade é persistente, 

invade a alma da gente 

e só se rende ao amor.


Ela é imperiosa, 

à solidão dá suporte,

não há  indivíduo forte

que tenha a capacidade

de tentar ser resistente

e ficar indiferente 

aos impactos da saudade.


As suas interferências 

provocam angústia e ânsia

em meio a uma distância

resultando solidão

numa tristeza avançada

ela é lança afiada

perfurando o coração.


A saudade, às vezes doi

noutros momentos sufoca

quando no coração toca

fere a sensibilidade

tira a febre da paixão

não há na face do chão 

quem se livre da saudade.


Autor: Zé Bezerra









sábado, 26 de junho de 2021

SEM PODER DANÇAR FORRÓ









Vemos que a pandemia

continua a nos privar

de novo vamos ficar

sem diversão nenhum dia,

prossegue a monotonia,

quarentena causa dó,

o tempo de um jeito só

e o marasmo predomina,

mais uma festa junina

sem poder dançar forró.


Mais uma vez em Assu

a festa foi cancelada,

a tradição foi quebrada 

dos arraiais de Patu,

Patos e Caruaru,

Apodi e Mossoró,

nada tem no Seridó, 

nem o maior, em Campina,

mais uma festa junina 

sem poder dançar forró.


A saudade ataca a gente,

faz calo no coração, 

sem as festas de São João 

tudo fica diferente,

nenhuma bebida quente

aquece nosso gogó,

até arranjar xodó

nem nisso a gente imagina,

mais uma festa junina

sem poder dançar forró.


Sem milho assado na brasa

em uma ardente fogueira

de lenha de catingueira

queimando em frente à casa, 

a saudade que estravasa,

amarga que nem jiló, 

até vovô e vovó

reclamam da triste sina,

mais uma festa junina

sem poder dançar forró.


Mote: Edmilson Ferreira

Glosa: Zé Bezerra













 

domingo, 20 de junho de 2021

NORDESTE MAGOADO











Vê-se agora o povo sertanejo 

Ansioso e carente de esperança

Por ser forte demais sua lembrança

Da maior tradição e do festejo

Qualquer sítio, cidade ou lugarejo

Na presente e real situação

Tem seu povo vivendo em reclusão 

E por isso das festas é privado 

O Nordeste soluça magoado

Com saudade das festas de São João.


O Nordeste sem ter festa junina

Vive um tempo de contrariedade

Não havendo qualquer festividade

Enfraquece a cultura nordestina

A saudade no povo predomina

Pela ausência total da diversão

Em qualquer um lugar da região

Nenhum show pode ser realizado

O Nordeste soluça magoado

Com saudade das festas de São João.


Sem ter festa o Nordeste sofre mais

Nestes tempos difíceis do "corona"

Sem Waldonis tocar sua sanfona

Sem Campina fazer seus arraiais

De quadrilhas, não há mais festivais

Zé Ramalho não toca o violão

O Santana não solta o vozeirão

Alceu, Elba em live têm cantado

O Nordeste soluça magoado 

Com saudade das festas de São João.


Mote: Helena Bezerra

Glosa: Zé Bezerra



 

sábado, 12 de junho de 2021

DOAR SANGUE É DOAR VIDA











Neste junho vermelho é bom lembrar

Que em todo o país e em cada estado

Deve o povo estar bem informado

Que o sangue humano é pra doar

Para quem vier dele precisar

Disso o público, é bom ser sabedor

Quem puder e tornar-se doador

Terá bênçãos divinas concedidas

Porque está ajudando a salvar vidas

Doar sangue é um ato de amor.


Doar sangue é um gesto de grandeza

Uma ação de amor e caridade

Quem recebe supre a necessidade

Sente em seu organismo a fortaleza

Diminui o estado de fraqueza

Com a nova energia e o vigor

O que doa não é um salvador

Mas de Deus recompensa ele vai ter

Ajudando a alguém sobreviver

Doar sangue é um ato de amor.


Você tendo saúde e condição

De acordo o que sempre é exigido

Doe seu sangue a quem está desfalecido

Não hesite ao fazer a doação

Que o doente é seu próximo e seu irmão

E espera um alívio em sua dor

Recebendo o seu sangue é como a flor

Que de pétala em pétala vai se abrindo

Porque tem uma vida ressurgindo

Doar sangue é um ato de amor.


Autor: Zé Bezerra

domingo, 30 de maio de 2021

AS BELEZAS NATURAIS










Encantam os nossos olhos

Com as belíssimas imagens

O despontar da aurora

Em variadas paisagens

Belo é ver o arrebol

Antes do nascer do sol

Nas horas crepusculares

Isso é bonito demais

As belezas naturais

Encantam nossos olhares.


Vale a pena contemplar

A neve sobre os rochedos

E o vento movimentando

As copas dos arvoredos

Uma brisa matutina

Vai bafejando a campina

Enquanto vêm dos pomares

Aromas especiais

As belezas naturais

Encantam nossos olhares.


O rumor das quedas d'água

Descendo nas cataratas

Subindo as cheias dos rios

Ladeados pelas matas

Na força da correnteza

Não encontrando represa

Chega a água logo aos mares

Alagando os manguezais

As belezas naturais

Encantam nossos olhares.


Cedo a passarada canta

O hino da natureza

As praias ensolaradas

Ostentam maior beleza

Aves dão voos rasantes

As florestas verdejantes

Pena que em muitos lugares

Elas não existam mais

As belezas naturais

Encantam nossos olhares.


Quanto é belo a gente ver

Uma noite enluarada

A relva sobre a planície

A flora bem preservada

Em vale, serra e sertão

Água sem poluição

Nos rios e similares

Sem riscos aos animais

As belezas naturais

Encantam nossos olhares.


Autor: Zé Bezerra








terça-feira, 18 de maio de 2021

TEMOS QUE FAZER BONITO








Tendo um senso coletivo

Tocados pela empatia

Devemos fazer ações

Solidárias neste dia

Em prol dos adolescentes

E crianças inocentes

Defendendo-os de um maldito 

Atentado sexual

Pra livrá-los deste mal

Temos que fazer bonito.


Este dezoito de maio

Por uma lei federal

É um dia de alertas 

Em nível nacional

À cruel exploração

Que joga na contramão

Do antemundo esquisito

Essas indefesas vítimas

Se as ações são legítimas

Temos que fazer bonito.


Somam-se vinte um anos

Dessa mobilização

Que anualmente é feita

Para chamar a  atenção

De muitas autoridades

Nas mais diversas cidades

Onde faz-se ouvir o grito

Nas ruas e avenidas

Pra proteger essas vidas

Temos que fazer bonito.


É preciso que se lute

Pelos Direitos Humanos

Dessa população que 

Pode sofrer grandes danos

Tem que ser duro o combate

Contra esse disparate

Que causa mágoa e conflito

Esses crimes horrorosos

Pra punir os criminosos

Temos que fazer bonito.


Autor: Zé Bezerra






sexta-feira, 14 de maio de 2021

UMA RAZÃO PRA VIVER









Certo de que também sou

Um dos filhos de Adonai

Pertenço à grande família

Da qual é  Deus quem é Pai

Sejam gregos ou troianos

Essa raça de humanos

Tem obrigação de crer

E Nele a fé professar

Assim todos vão achar

Uma razão pra viver.


Instruídos por ensinos

Das Escrituras Sagradas

Cristãos evangelizados

Têm condutas transformadas

Na atitude que muda

A fé em Deus sempre ajuda

Aos obstáculos vencer

Porque quem cultiva o bem

Em qualquer momento tem

Uma razão pra viver.


Quem está desmotivado

Pela baixa autoestima

Acha que nada dá certo

Tem medo e se desanima

Perante a realidade

Na menor dificuldade 

Começa a retroceder

Pra dessa fossa sair

É preciso adquirir

Uma razão pra viver.


Alguém com doença grave

Em estado de amargura

Diagnósticos mostrando

Pequenas chances de cura

Em meio ao sofrimento

Vai encontrar um alento

Que diminui o sofrer

Acreditando em Jesus

Vendo na divina luz

Uma razão pra viver.


Autor: Zé Bezerra






domingo, 9 de maio de 2021

MEU CADEADO É UM NÓ ( gênero da cantoria)












Minha comida é fubá

Meu astro rei é o sol

Minha pesca é de anzol

Meu canal é Panamá

Minha praia é Guarujá 

Meu município é Bodó

Minha planta é mororó

Meu castelo é um barraco

Minha maleta é um saco

Meu cadeado é um nó.


Minha seita é candomblé

Meu cantor é Gonzagão

Minha terra é o sertão

Meu coqueiro é catolé

Minha bebida é café

Meu fruto amargo é jiló

Minha aposta é de bozó

Meu jogo em dupla é buraco

Minha maleta é um saco

Meu cadeado é um nó.


Minha rádio é Cabugi

Meu jornal é a Gazeta

Minha arma é a caneta

Meu grande herói é Zumbi

Minha língua é a Tupi

Meu samba é o Carimbó

Minha nota: SOL ou DÓ

Meu alforge é um bisaco

Minha maleta é um saco

Meu cadeado é um nó.


Minha cidade é Patu

Meu estado é "erre" " ene"

Minha mulher é Cilene

Meu pássaro é o jaburu

Minha polpa é de caju

Meu algodão é mocó

Minha franga é carijó

Meu violão é polaco

Minha maleta é um saco 

Meu cadeado é um nó.


Autor: Zé Bezerra




 

sábado, 8 de maio de 2021

NO TRÂNSITO, A VIDA EM PRIMEIRO LUGAR (soneto)



















Aos pedestres, motoqueiros e motoristas
Eis a campanha pra nós e pra vocês
Nas ruas, avenidas, becos, pontes, pistas
É a cor amarela colorindo o mês.

No trânsito, vamos aguardar a nossa vez
Mantendo a calma, sem sermos egoístas
Evitando ao máximo a insensatez
Precipitados são os imediatistas.

Cuidado em não trafegar na mão contrária
Educação para o trânsito é necessária
Isso faz nos defender de uma batida.

Salve a vida! O viver é muito belo
Mês de Maio, esse mês todo amarelo
Nos mostrando o quanto é preciosa a VIDA!


Autor: Zé Bezerra

sexta-feira, 30 de abril de 2021

SURPREENDIDO PELA ESPERANÇA








Mesmo estando abalada esta nação

Pela realidade tão perversa

De uma crise profunda e adversa

Que a todos traz preocupação

Mas diante de tal situação

Que faz todo horizonte escurecido

Vê-se um brilho que estava escondido

Em pequena fagulha que avança

Surge um foco de luz e esperança

Quando tudo parece estar perdido.


Se estou enfrentando o desemprego

Sem ter como a família sustentar

Com acúmulo de contas pra pagar

Isso faz perturbar o meu sossego

Intranquilo no canto aonde chego

Por estar num caminho interrompido

Mas vem algo que muda meu sentido

Brilha em mim o olhar de uma criança

Surge um foco de luz de esperança

Quando tudo parece estar perdido.


Há problemas em todos os países

Muitos são de difíceis soluções

Pandemia e fome nas nações

Tão profundas parecem ser as crises

Por faltarem as boas diretrizes

A pobreza bastante tem sofrido

Mas Deus manda o pão ser repartido

E aos poucos começa haver bonança

Surge um foco de luz e esperança

Quando tudo parece estar perdido.


Autor: Zé Bezerra




quarta-feira, 28 de abril de 2021

DEUS DÁ OS AJUSTES










Deus permite que eu seja

Uma pessoa bondosa

Cumpridora dos deveres

Persistente e amorosa

Enérgica e determinada

Otimista e esforçada

Lutando para vencer

Com o que lhe convier

Do jeito que Deus me quer

Eu procuro me querer.


Porque Deus sempre me ama

Nunca me abandonou

Penso que Ele me aceita

Do jeito que fui e sou

Assim também me aceito

Cheio de falha e defeito

Mas decidido a viver

Até quando Deus quiser

Do jeito que Deus me quer

Eu procuro me querer.


De graça Deus deu-me o dom

Da vida, o mais valioso

No entanto, muitas vezes

Eu não sou harmonioso

Uso de ignorância

Imprudência e arrogância

Mais que o próximo quero ser

Humilhando quem vier

Do jeito que Deus me quer

Eu procuro me querer.


Autor: Zé Bezerra




 

terça-feira, 20 de abril de 2021

LINHAS DA VIDA (soneto)









O que é escrito sobre as linhas da vida

Sai do pensamento e vai pra o coração

E as revelações da alma frágil e sentida

Fazem que se tome uma nova direção.


Se há tempestades de inverno ou verão

E vê-se da planta uma flor caída

É porque o estrume que adubou o chão

Foi fraco produto com data vencida.


Pode até o sol chegar a escurecer

Pelos vendavais que vão aparecer

Fazendo o mau tempo demorar passar.


Isso realmente é uma ameaça

Mas no momento que a tempestade passa

Aí o sol volta novamente a brilhar.


Autor: Zé Bezerra 

quinta-feira, 15 de abril de 2021

PRESO PELA PANDEMIA








Quando chegou o momento

De ficar em quarentena

Precisei sair de cena

Recluso em meu aposento

Devido o  confinamento

Nem na calçada saía

Com uma máscara que ardia 

Nas orelhas como brasa

E a ordem: - " fique em casa"

PRESO PELA PANDEMIA.


Não pude mais ir à feira

Nem sair para um passeio

A Covid deu um freio 

A vida ficou grosseira

Assim a semana inteira

É grande a monotonia

Nesse atípico dia a dia

A gente fica sem plano

Já estou com mais de um ano

PRESO PELA PANDEMIA.


A realidade é esta

Enfrentando essa peleja

Não fui mais a uma igreja

Nem curti sarau, nem festa

Nunca mais fui a seresta

Procissão, nem romaria

Nas coisas que eu fazia

Houve um enorme recuo

Só porque eu continuo

PRESO PELA ROMARIA.


Sensação não tive mais 

Dos abraços apertados

Porque esses são trocados 

Por abraços virtuais

Os grandes shows culturais

Que davam tanta alegria

Agora só live fria 

Tem vez que fico a olhar 

Na tela do celular

PRESO PELA PANDEMIA.


Sem realizar viagens

Sem caminhar pelos campos

Sem olhar os pirilampos

Sem contemplar as paisagens

Sem andar noutras paragens

Sem sentir a maresia

Sem cair numa folia

Sem ir às festas de rua

Sem nunca mais ver a lua

PRESO PELA PANDEMIA.


Se não saí, não andei

Se não andei, não fui longe

Vivendo vida de monge

Enclausurado fiquei

Muitos planos desmanchei

Tive a agenda vazia

Se pra nenhum canto ia

Fui procurar a saída

Pra dar mais sentido à vida

PRESO PELA PANDEMIA.


A saída encontrada

Foi a rotina mudar

Pensar e reinventar

Não ficar sem fazer nada

Com a internet instalada

Vi que assim conseguia

Uma ocupação sadia

Para o ócio combater

Achei muito o que fazer

PRESO PELA PANDEMIA.


Autor : Zé Bezerra

sexta-feira, 2 de abril de 2021

ABRAÇOS NÃO DADOS









Senti forte desejo de abraçar alguém

Foi mais que envolvente essa sensação

Fiquei tão inseguro do jeito de quem

Não encontra firmeza pra pisar no chão.


Nessa crise de afeto sinto o coração

Chegando a bater cento e oitenta por cem

Só encontro um remédio que baixe a pressão

É se um abraço grande eu der em meu bem.


Mas pelas restrições abraçar não posso

A Covid veio barrar o desejo nosso

É bem frustrante ter planos desmanchados.


Uma força maior deixa-me esperando

Pra não sofrer mais nem fico pensando 

Nas desilusões dos ABRAÇOS NÃO DADOS.


Autor: Zé Bezerra

sábado, 27 de março de 2021

NO REPENTE, ELE FOI MAIOR










Cearense da Vila Feiticeiro

O Francisco Maia de Queiroz

Não está mais vivendo entre nós

Por ter dado o suspiro derradeiro

Esse grande poeta violeiro

De um gênio imbatível e genuíno

Foi do plano terreno pra o divino

Um exponencial  da cantoria

Desfalcando o plantel da cantoria

O MAIOR REPENTISTA NORDESTINO.


Louro Branco, é esse o cognome

Desse astro do verso e do repente

Com seu protagonismo evidente

Fez na arte, sem dúvida, um grande nome

Sua fama o tempo não consome

Por ser da poesia um paladino

Além disso, um simples peregrino

Despojado de luxo e de vanglória

Assim chega ao final da trajetória

O MAIOR REPENTISTA NORDESTINO.


Era sim Louro Branco, um magistral

Figurando entre os vates mais famosos

Argumentos poéticos graciosos

De uma verve incomum e genial

A criatividade sem igual

Era a marca mais forte do seu tino

Começou a cantar desde menino

Por seis décadas foi príncipe do reinado

Pela crítica poética avaliado

O MAIOR REPENTISTA NORDESTINO.


Louro Branco hoje está com Azulão

Dimas, Chico Traíra e Zé Lulu

Ventania, Diniz, Pinto e Xudu

Zé Amâncio, Arrudinha e Mufumbão

Chicó Gomes, Hercílio e Fabião

Clodomiro, Furiba e Zé Galdino

Luís Campos,  Cotinha  e Belarmino

Zé Gonçalves, Valdir, Pedro Bandeira

Que na terra findou sua carreira

O MAIOR REPENTISTA NORDESTINO.


Autor: Zé Bezerra

quinta-feira, 18 de março de 2021

ELOGIOS À POESIA II











Tendo sempre argumentos favoráveis

Ao buscar o calor desse mormaço

Em um voo suave no espaço

Bebo em fontes que são inesgotáveis

Onde as musas parecem incansáveis

Transmitindo ao poeta, a sinergia

Pela indissolúvel parceria

Num elã de ardência e emoção

Não faltando o calor da inspiração

Toda hora eu respiro poesia.


Essa arte em mim é permanente

Todo mês, todo dia, todo ano

Componente do meu quotidiano

Já se fez titular em minha mente

Se o verso não sai tão de repente

Mas escrito ele tem categoria

Muitas vezes está em sintonia

Com as puras origens do sertão

Não faltando o calor da inspiração

Toda hora eu respiro poesia.


Não faltando a vontade de sonhar

Não faltando a coragem para agir

Não faltando degrau para subir

Não faltando o  desejo de lutar

Não faltando uma luz para brilhar

Não faltando destreza e maestria

Não faltando a verve nenhum dia

Não faltando caneta em minha mão

Não faltando o calor da inspiração

Toda hora eu respiro poesia.


Autor: Zé Bezerra

segunda-feira, 15 de março de 2021

ELOGIOS À POESIA I










O mar, a terra, o planeta

O morro, o monte, a chapada

O livro, o texto, a caneta

O campo, o pasto, a boiada

O gás, o fósforo, o fogo

O torneio, o time, o jogo

O vaqueiro, a vaca, a cria

O mérito, a glória, o troféu

O éden, o inferno, o céu

TUDO ISSO É POESIA.


Isso que é universo

Isso que é infinito

Isso que dá vida ao verso

Isso que desvenda o mito

Isso que vem de repente

Isso que apaixona a gente

Isso que nos extasia

Isso que germina calma

Isso que toca na alma

ISSO TUDO É POESIA.


O transatlântico poético

O mundo todo percorre

Contendo uma água lírica

Que despeja e que escorre

Especial combustível

De efeito inconfundível

Que só arte comunica

Se o mundo der cambalhotas 

E vier bater as botas

SÓ A POESIA FICA.


Autor: Zé Bezerra

quarta-feira, 10 de março de 2021

CRISTO É A NOSSA PAZ









Jesus quer que a gente mude a vida

Com postura de paz e conversão

Pra viver com diálogo e união

Favorável ao perdão, à acolhida

Pois qualquer divisão é destruída

Quando um povo ao outro está unido

Se o muro do mal é destruído

Para erguer-se a ponte da amizade

Cristo é paz e instala a unidade

Entre tudo que estava dividido.


Temos que combater as divisões

Elas são desastrosas por demais

Oponentes do amor e da paz

Provocando conflito entre as nações

Importante que as religiões

Não tivessem postura de partido

Vissem que o Messias Prometido

É só Ele a luz da humanidade

Cristo é paz e instala a unidade

Entre tudo que estava dividido.


Jesus Cristo, o Senhor Príncipe da Paz

Para o povo de Deus trouxe esperança

Ele é definitiva aliança

Que Javé com a humanidade faz

A mensagem de vida que Ele traz

É que tem que o diálogo ser mantido

E o castelo de amor ser construído

Mesmo tendo que haver diversidade

Cristo é paz e instala a unidade

Entre tudo que estava dividido.


Cristo veio pra crentes e ateus

Negros, índios, libertos e cativos

Ricos, pobres e homo afetivos

Para samaritanos e judeus

Por ser Ele, Jesus Filho de Deus

Fez o Reino pra todos estendido

Cada um pode ser bem acolhido

Que Ele é Vida, Caminho e Verdade

Cristo é paz e instala a unidade

Entre tudo que estava dividido.


Autor: Zé Bezerra

segunda-feira, 8 de março de 2021

VERSOS ÀS MULHERES









É no  manancial da inspiração

Que o pensar poético é  submerso

Para assim poder dar mais qualidade

Na articulação de um texto em verso

Criação específica em homenagem

Às mulheres de todo o universo.


Neste dia internacional

As mulheres são homenageadas

Mas devido ao modelo social

Pelas classes são todas separadas

Divisão favorável para que 

Muitas delas não sejam nem lembradas.


Este texto poético  é para todas:

Diaristas, babás, agricultoras

Manicures, domésticas, empresárias

Bailarinas, atrizes e cantoras

Balconistas, bancárias, artesãs

Delegadas, juízas, professoras.


Médicas, advogadas, secretárias,

Contadoras, dentistas, enfermeiras

Administradoras, assistentes

Desportistas, poetisas, sanfoneiras

Profissionais liberais e jornalistas

As dos outros países, as brasileiras.


Nota zero ao machismo, ao preconceito

Nota mil pra mulher com primazia

Este ser escolhido pra dar vida

Inundando de amor, o ser que cria

Para a mulher mãe e para as outras

Parabéns a vocês por este dia.


Autor: Zé Bezerra

domingo, 28 de fevereiro de 2021

CEGUEIRA COLETIVA








Quem vê e faz que não vê

Uma situação grave

Toma atitude adversa 

Em tudo criando entrave

Assim são muitas pessoas

Sem praticar ações boas 

Comportam-se à revelia

De uma crise ostensiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Pobreza de consciência

Gera insubordinações

Mal educados insistem 

Fazer aglomerações

Indiferentes ao mal

Acham tudo trivial

Tratando com rebeldia

Qualquer ação restritiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Uma cegueira que gera 

A insensibilidade

E a fria indiferença

À dura realidade

Máscaras sendo descartadas

Quando devem ser usadas

Pela grande serventia

E medida preventiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


A pandemia aumentou 

Na campanha eleitoral

Nas festas do fim do ano

Seu avanço foi geral

Do carnaval clandestino

O resultado é ferino

Que o povo em maioria

Agiu de forma abusiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Em meio a tudo isso 

Os efeitos são tiranos

Com irreparáveis perdas

De tantos seres humanos

Devido a grande cegueira

Uns levam na brincadeira

E cheios de apatia

Vão na linha destrutiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


É absurda a conduta

Que mantém o Presidente

Usando a politicagem

Rasteira e inconsequente

Marcado por tanta falha

O seu governo atrapalha

E a nação se angustia

Dentro de um barco à deriva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Você por não enxergar

Relaxou com os cuidados

Está na praia, nos bares

Está em shoppings lotados

Esquece o que o vírus faz

Não vê que nos hospitais

Tem choro, dor, agonia

E a morte na ofensiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Será que  não dá pra ver

Hospitais superlotados

E tantos seres humanos

Morrendo asfixiados?

E a cepa das variantes

Contaminando em instantes

A qualquer hora do dia

De forma mais agressiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Portanto amigo, abra os olhos 

Siga as orientações

Para o seu bem e o dos outros

Evite aglomerações

Faça a sua parte, ajude

Colabore com a saúde

Seguindo por essa via

Sua ação é positiva

A CEGUEIRA COLETIVA

FAZ CRESCER A PANDEMIA.


Autor: Zé Bezerra

sábado, 20 de fevereiro de 2021

VIVER O TEMPO PRESENTE








Presente é tempo que existe

Por ser concreto e real

É o aqui, o agora

Visível, material

Com sonho ou com pesadelo

Está para nós vivê-lo

De forma bem natural.


Com racionalidade

Prudência e inteligência

Cabe a nós nos prepararmos

Para termos resistência

Em climas quentes ou frios

Enfrentando os desafios

Que surgem na existência.


Cientes de que a vida 

Nos veio gratuitamente

Sendo doada por Deus

É preciosa pra gente

E pra melhor defendê-la

É nosso dever vivê-la

Se possível, plenamente.


Com luta, com sacrifício

E responsabilidade

Seja vivendo a bonança

Ou a adversidade

A Deus sejamos fieis

Firmando o nossos pés

No chão da realidade.


O bom é sermos empáticos

Seja aqui ou seja além

O presente  bem vivido

Grande sentido ele tem

Nossas vidas serão boas

Quando as outras pessoas

Estão felizes também.


Certamente o presente

É pra nós mais efetivo

Mais digno, mais agradável

Mais significativo

Se do bem somos munidos

Estando fortalecidos

Por espírito coletivo.


Já que o passado está fora

Não pertence mais a gente

E o futuro também

Não parece pertinente

Vamos de cabeça erguida

Alicerçar nossa vida

Sobre as rochas do presente.


Autor: Zé Bezerra 

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

PLURALIZANDO VERSOS E RIMAS









Os ventos sopram velozes

Por morros, serras e montes

Águas límpidas nas nascentes

Fluem e abastecem as fontes

Raios solares cintilam

Encantando os horizontes.


Veículos lentos nas pontes

E rápidos, em vias retas

Técnicos de vários esportes

Preparando seus atletas

E as musas parnasianas

Enamorando os poetas.


Dispostos a cumprir metas

Esforçam-se os operários

Com prioridade aos lucros

Atuam os empresários

Políticos de várias frentes

Reúnem seus partidários.


Grupos lutam por salários

Em várias categorias

Classes privilegiadas

Usufruem mordomias

E milhões de empobrecidos 

Lotando as periferias.


Aumenta todos os dias 

O rol dos desempregados

Os desníveis sociais

Tornam-se mais elevados

Do petróleo, sobem preços 

De todos seus derivados.


Em países e estados

Perde a cultura, as raízes

Professores inseguros

Formam mal seus aprendizes

Em tempos desfavoráveis

Multiplicam-se as crises.


Sentenças de alguns juízes

Podem ser mal decretadas

Mansões luxuosas ficam

Por muito tempo fechadas

Barracos toscos envoltos 

Em lonas empoeiradas.


Andarilhos nas estradas

Levando seus matolões

Detetives disfarçados

Fazem investigações

A ONU pede que cessem 

Conflitos entre as nações.


Teriam outros senões

Com essas matérias primas

Porém não houve empecilhos

Nem divagação nos climas

Só se quis fazer plurais

Em todos versos e rimas.


Autor: Zé Bezerra




terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

SEM CARNAVAL









Escolas pedem socorro

Pisando na corda bamba

Nem Acadêmicos do Morro

Nem Confiança do Samba 

Lá na sede enclausurada

Ficou a Águia Dourada

Sem mostrar a fantasia

Pelas ruas de Natal

Não tivemos carnaval 

Por causa da pandemia.


Blocos: Grilo e Fuleragem

Carecas, Bruxas, Ressaca

Abeyome em desvantagem

Banda do Siri empaca

Troças não mostrou a cara

Nem o Baiacu na Vara

Os Papangus quem diria

Sumiram da capital

Não tivemos carnaval

Por causa da pandemia.



Não puderam desfilar

Lá no Rio de Janeiro

A Unidos de Pilar

Acadêmicos do Salgueiro

Viradouro, São Clemente

Grande Rio, Independente

Mangueira não fez folia

No seu grupo especial

Não tivemos carnaval

Por causa da pandemia.


Grandes carros alegóricos

Chegaram a ser projetados

Enredos, temas históricos

Não foram apresentados

Os sambódromos sem ninguém

Porque a Covid tem

Provocado a cada dia

Efeito grave e letal

Não tivemos carnaval

Por causa da pandemia.


Autor: Zé Bezerra 







domingo, 14 de fevereiro de 2021

SONHANDO COM UM MUNDO BOM









Que o mundo ficava diferente

Isso eu vi numa noite que sonhei

Por ação da justiça e pela lei

Todos eram tratados igualmente

Sendo a educação linha de frente

Ninguém era privado do  saber

As ações do direito e do dever

Cada um ser humano exercia

Eu sonhei que o mundo inda seria

Um lugar muito bom pra se viver.


As nações eram bem civilizadas

Todos valorizavam o bem comum

Era obrigação de cada um

Ter as suas famílias educadas

As diversas culturas respeitadas

Incentivo ao esporte e ao lazer

Na pessoa era fácil perceber

O seu zelo pela cidadania

Eu sonhei que o mundo inda seria

O lugar muito bom pra se viver.


Tendo alguns desajustes pontuais

O progresso não era interrompido

Só havia país desenvolvido

Desemprego não existia mais

E as desigualdades sociais

Todas elas deixavam de ocorrer

Semeava-se amor para colher

Paz, ternura, amizade e empatia 

Eu sonhei que o mundo inda seria

Um lugar muito bom pra se viver.


Autor: Zé Bezerra




sábado, 30 de janeiro de 2021

CORAÇÃO: PORTAS INVERSAS













O coração é um cofre

Que em todos os momentos

Pode guardar sentimentos

Pra isso sempre desperta

E aquele que o bem guardar

Pode se denominar

Coração de porta aberta.


No entanto, há coração

Que traz em si a desdita

Porque no seu íntimo habita

Somente o que desagrada

Tomado de arrogância

É por transpirar ganância

Coração porta fechada.


O coração que é fraterno

Está cheio de alegria

De ternura e empatia

Ama na medida certa

Na alegria e na dor

É por ser cheio de amor

Coração de porta aberta.


Mas há do lado contrário

Coração seco e maldoso

Odiento, rancoroso

Tipo uma fera enraivada

Que não sabe querer bem

Quem possui um assim tem

Coração porta fechada.


Coração que hospeda amor

Possui afeto e ternura

Tem meiguice, tem doçura

Estando sempre alerta

Para amar o tempo inteiro

Esse é o verdadeiro

Coração de porta aberta.


Porque bem e mal existem

Os corações são assim

Tem o bom, tem o ruim

Um tem porta escancarada

Esse é de carne e só ama

O de pedra, a gente chama

Coração porta fechada.


Autor: Zé Bezerra








domingo, 24 de janeiro de 2021

SEIS ANOS DA APLA













Faz seis anos que a APLA foi fundada

Importantes são seus objetivos

Periodicamente em bons arquivos

A história vai sendo registrada

Da associação estruturada

Com seu  protagonismo e maestria

Que quer ser da cultura a alquimia

Isso afirma em discursos e apartes

Nos pilares das letras e das artes 

Fundamenta-se nossa academia.


Acadêmicos, são hoje vinte e três

Sendo trinta cadeiras franqueadas

Faltam sete pra serem ocupadas

Certamente alguém espera a vez

Se de anos a APLA já tem seis

Nas ações apresenta autonomia

Empenhando-se pela garantia

De uma cultura livre sem descartes

Nos pilares das letras e das artes

Fundamenta-se nossa academia.


Apoiando artesãos e sanfoneiros

Escritores, pintores, folcloristas

Dançarinos, cantores, cordelistas

Coreógrafos, escultores, violeiros

Jornalistas, atores, cancioneiros

Os poetas no afã da poesia

Circenses e quem faz dramaturgia

Os que são da cultura baluartes

Nos pilares das letras e das artes

Fundamenta-se nossa academia.


Autor: Zé Bezerra




terça-feira, 19 de janeiro de 2021

VALE MAIS ESPERANÇAR











Esperar passivamente

Pelo que pode surgir

Se vai vir, se não vai vir

A gente fica a pensar

E o tempo vai passando

Não fique só esperando

Mais vale é esperançar.


A esperança consiste

Ter a expectativa

Mas pra ser mais positiva

Essa forma de esperar

É bom aguardar lutando

Não fique só esperando 

Mais vale é esperançar.


Esperançar é agir

Não é só olhar de fora

É estar fazendo a hora

Pra o resultado alcançar

Mãos na massa colocando

Não fique só esperando 

Mais vale é esperançar.


Como num toque de mágica

As coisas não acontecem

Pelos sinais que aparecem

De algo que vai chegar

Alguns passos vamos dando

Não fique só esperando

Mais vale é esperançar.


Quem espera sempre alcança

Esse é um velho ditado

Porém esperar sentado

É comodismo vulgar

Que vai se consolidando

Não fique só esperando

Mais vale é esperançar.


Autor: Zé Bezerra







 

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

NORDESTINO, MATUTO E SERTANEJO












Sou feliz em ser filho do sertão

Lá no pé de uma serra ter nascido

Num lugar muito pobre ter crescido

Era a roça, o lugar de ocupação

E no mês que havia diversão

O forró pé de serra era o festejo

Na enxada era firme no manejo

Só voltava do campo, o sol a pino

Sinto orgulho de ser um nordestino

Pele grossa, matuto e sertanejo.


Muita honra me faz ser lá do mato

Duma brenha esquisita na quebrada

Uma casa de taipa esburacada

Da pobreza extrema era o retrato 

Só aos vinte de idade usei sapato

Imagine o tamanho do meu desejo

Pelo retrovisor da vida eu vejo

Vários filmes do tempo de menino

Sinto orgulho de ser um nordestino

Pele grossa, matuto e sertanejo.


Todo dia levanto à madrugada

Em seguida já lavo cada pote

Num galão pendurado no cangote

Da cacimba, a água é transportada

Minha nega também já acordada

Faz café com cuscuz, só não tem queijo

Bebo, como e não fica nem sobejo

Que engrosse a lavagem do suíno

Sinto orgulho de ser um nordestino

Pele grossa, matuto e sertanejo.


Acho bom minha pele ser tostada

É sinal que no campo a vida é dura

Mesmo tendo desprezo, a agricultura

Minha roça bem cedo, ela é plantada

É no tôco, não tem terra cortada

Na enxada sou bamba no traquejo

Se o ano for seco, o meu desejo

É sofrer e chorar igual menino

Sinto orgulho de ser um nordestino

Pele grossa, matuto e sertanejo.


Autor: Zé Bezerra




sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

AUTODETERMINAÇÃO










Com as minhas atitudes

Para todos me apresento

Agindo em conformidade

Com o meu comportamento

Busco na hora que penso

Evitar o contrassenso

Quando decidido estou

É que planejo as ações

Pelas minhas decisões

Eu determino quem sou.


A performance, o perfil

Identificam meu ser

Se sou prudente e sensato

Já aprendi a viver

Porém se sou desleixado

Vivo desorganizado

Sem saber pra onde vou

Desconheço as direções

Pelas minhas decisões

Eu determino quem sou.


Sendo um sujeito imaturo

Insensato, alienado

Sem preocupar-se em 

Seguir no caminho errado

Sem ligar esforços gastos

Com resultados nefastos

De um barco que afundou

Nas ondas das ilusões

Pela minhas decisões

Eu determino quem sou.


Vivendo a cidadania

Preservando a liberdade

Pelos efeitos da ética

Priorizando a verdade

Nesse papel consciente

Querendo o tempo presente 

Melhor que o que passou

Com mais paz nos corações

Pelas minhas decisões

Eu determino quem sou.


Autor: Zé Bezerra