segunda-feira, 19 de junho de 2017

FAMÍLIA CRISTÃ















Se a família cristã
Vive a palavra de Deus
Está bem unida aos seus
Evitando dissabor
Estando aberta ao perdão
Família é casa do pão 
Da partilha e do amor.

O certo mesmo seria
Que a família aprendesse
Os valores e crescesse
Zelando cada valor
Num ambiente cristão
Família é casa do pão
Da partilha e do amor.

Sabendo o que é a fé
Colocando a fé na vida
A família vive unida
Pelas bênçãos do Senhor
E a força da oração
Família é casa do pão
Da partilha e do amor.

Espiritualidade
Participação e paz
Com isso a família faz
Da convivência um primor
Na estável relação
Família é casa do pão
Da partilha e do amor.

Deus mande até as famílias
Daqui e do mundo inteiro
Seu divino mensageiro
Um anjo educador
Com a seguinte lição:
Família é casa do pão
Da partilha e do amor.

Autor: Zé Bezerra



quinta-feira, 15 de junho de 2017

NAMORO COM OBJETIVOS

















Antes o namoro era
Tempo de descobrimento
Por ser visto como sério
O relacionamento
A medida que se amava
O casal se preparava
Tendo em vista o casamento.

Havia planejamento
Ninguém namorava à toa
O jovem com compromisso
Só pensava em coisa boa
O namoro era marcante
Por ser etapa importante
Para a vida da pessoa.

A família era a coroa
Pelos dois bem acolhida
Que após o casamento
Ia sendo construída
Na busca desse ideal
Era o lar para o casal
O alicerce da vida.

Como um ponto de partida
Pra o tempo posterior
O conhecimento mútuo
Caráter em alto valor
Sem ideias infantis
Cada um sendo feliz
Dando e recebendo amor.

Um período promissor
Com diálogo e com prudência
Para decisões tomadas
Por uso da consciência
Buscando união estável
O que é indispensável
Para a boa convivência.

Nessa ótica a existência
Ia sendo projetada
Duas vidas numa vida
No namoro começada
Com amor no coração
A verdadeira união
Ficava consolidada.

Mas nesta época avançada
Que a moral se distancia
Impera a libertinagem
Aumenta a pornografia
Por sumiço do decoro
Um puro e sério namoro
É muito raro hoje em dia.

Autor: Zé Bezerra

domingo, 11 de junho de 2017

DEUS NÃO CONDENA NINGUÉM


















Por ser Deus fonte de amor
Do bem da paz, da concórdia
Usa de misericórdia
Para com o pecador
Como um avaliador
Do mal que nós praticamos
Se do bem nos desviamos
Mas Ele só nos quer bem
Deus não condena ninguém
Nós é que nos condenamos.

Ficamos indiferentes
Às lições que Deus ensina
Sem seguir sua doutrina
Nos tornamos negligentes
Somos desobedientes
No lado errado ficamos
Na contramão trafegamos
Certos que o perigo vem
Deus não condena ninguém
Nós é que nos condenamos.

Deus a todos abençoa
Levanta quem está na lama
É Pai que acolhe e ama
Reconcilia e perdoa
Recompensa a ação boa
Quando um de nós praticamos
E toda vez que erramos
Devemos entender bem
Deus não condena ninguém
Nós é que nos condenamos.

Quem de Deus tem se afastado
E depois pensa em voltar
O Pai que só sabe amar
Não o deixa desprezado
Cada um de nós tem dado
Maus exemplos e pecamos
Se no mal caminho estamos
A culpa a gente é quem tem
Deus não condena ninguém
Nós é que nos condenamos.

Autor: Zé Bezerra


sábado, 27 de maio de 2017

A FEBRE DA POESIA















A febre da poesia
Revoluciona a mente
O pensamento estremece
Num barulho que parece
Um rio com forte enchente.

Com mais criatividade
Brilha a imaginação
Pela força dos sentidos
Neurônios são aquecidos
Nas chamas da inspiração.

Ideias geram palavras
Palavras constroem versos
Que das estrofes são laços
Para ocuparem espaçoa
Nos lugares mais diversos.

Os poemas que são feitos
Trazem boa aprendizagem
E informação completa
Ao bom leitor que interpreta
O contexto da mensagem.

A forma, o estilo, o gênero
O eu lírico, a fantasia
Vão dando vida a cultura
Em uma literatura
Imersa na poesia.

Autor: Zé Bezerra

sexta-feira, 26 de maio de 2017

OLHANDO O ROSTO DE DEUS






















Eu identifico o rosto
Do Santo Deus Jeová
Na pessoa que está
Sofrendo grande desgosto
No indivíduo indisposto
Que apresenta sinais
De medo e falta de paz
Abandonado dos seus
Enxergo o rosto de Deus
Naqueles que sofrem mais.

Nos idosos desprezados
Pelos seus familiares
Os que só vivem nos bares
Na bebida viciados
E os que vivem drogados
Da morte correndo atrás
Porque os casos letais
Surgem pelos atos seus
Enxergo o rosto de Deus 
Naqueles que sofrem mais.

Crianças, adolescentes
Sem pátria, sem lar, sem nome
Vítimas da guerra e da fome
Extremamente carentes
Desnutridos e doentes
Muitos sem mães e sem pais
Pra esses o amor jaz
Deram à esperança adeus
Enxergo o rosto de Deus
Naqueles que sofrem mais.

Nos que estão acometidos
De doenças incuráveis
Com dores insuportáveis
Anêmicos,enfraquecidos
E os que são excluídos
Das camadas sociais
Muitos que sofrem demais
Sejam crentes ou ateus
Enxergo o rosto de Deus 
Naqueles que sofrem mais.

Autor: Zé Bezerra

quarta-feira, 24 de maio de 2017

QUESTÃO CLIMÁTICA
















Num sertão que chove pouco
É alta a temperatura
Com pouca agricultura
Colheita pouca também
Como só chove algum dia
É motivo de alegria
Na hora que a chuva vem.

No clima do semiárido
Veranicos são frequentes
Não há registros de enchentes
Falta dágua não tem fim
Aumentando os desenganos
Já vão passando seis anos
Que os invernos são assim.

Daqueles agricultores
Que plantaram seus terrenos
A colheita é mais ou menos
Pelos campos do sertão
Há pasto aqui, acolá
Mas a falta d'água está
Sendo a preocupação.

Com muitos açudes secos
Uns que nem meios ficaram
Os meses que já passaram
Só com chuva intermitente
Se assim continuar
Mais seco inda vai ficar
O sertão quente da gente.

Como a questão é climática
Devemos buscar e ter
Meios para conviver
Esperando em Deus divino
As boas transformações
Trazendo invernos bons
Para o sertão nordestino.

Autor: Zé Bezerra

sexta-feira, 19 de maio de 2017

CENÁRIOS NATURAIS

















Vendo os raios do sol da cor de ouro
E o brilho da lua cor de prata
Vendo a fúria da água em correnteza
Espumando ao descer na catarata
Se espalha veloz de serra abaixo
Seu barulho estrondoso afronta a mata.

É quebrado por bela serenata
O silêncio da alta madrugada
Com a sonoridade inebriante
Do cantar matinal da passarada
Num coral natural e bem regido
Que encanta cantando a alvorada.

Uma nuvem redonda amarelada
Aparece depois do anoitecer
Em seguida o reflexo do relâmpago
E o trovão começando estremecer
Meia hora depois a  chuva chega
Molha o chão, faz o mato enverdecer.

Deixa o ego abastado de prazer
Todo o belo que a natureza traz
Isso encanta o olhar de quem avista
Desde a terra aos espaços siderais
É bastante agradável para todos
Contemplar os cenários naturais.

Autor: Zé Bezerra



quarta-feira, 17 de maio de 2017

CARÊNCIA DE PAZ














São tantas desigualdades
Tantos desentendimentos
Nos diversos segmentos
Muitas adversidades
Devido a tantas maldades
Tantos fatos cruciais
A violência é demais
Tornou-se um mal infinito
O mundo está em conflito
Pela carência de paz

A desumanização
A escassez de amor
Muitos atos de terror
Causando destruição
Numa digladiação
Que não se acaba mais
De seres racionais
Que têm um ódio irrestrito
O mundo está em conflito
Pela carência de paz.

Acontecem todo dia
Ameaças, desacatos
Chacinas, assassinatos
Tiroteio, tirania
Massacre, selvageria
Nas guerras oficiais
Dos STATES e seus rivais
Da Síria até o Egito
O mundo está em conflito
Pela carência de paz.

Falta solidariedade
Em todo canto há intriga
Desentendimento e briga
Inveja e inimizade
Poucos fazem caridade
Muitos são entes brutais
Mais que irracionais
Com um instinto maldito
O mundo está em conflito
Pela carência de paz.

Há assalto a todo instante
Porque falta segurança
Há latrocínio e vingança
Por ter tanto meliante
O medo é predominante
Dos descalabros letais
Realidade que traz
Triste efeito do delito
O mundo está em conflito
Pela carência de paz.

Cheio de fúria e sadismo
O homem mal é satânico
Cria desespero e pânico
Crueldade e terrorismo
O crescente banditismo
Desde os sítios às capitais
Fazendo cada vez mais
O povo viver aflito
O mundo está em conflito
Pela carência de paz.

Autor: Zé Bezerra

terça-feira, 9 de maio de 2017

AMANHECER & ANOITECER


















Tua fisionomia
O teu olhar reluzente
Tua conversa atraente
Teu brilho, tua alegria
O teu sorriso irradia
Ternura, luz e prazer
Este teu jeito de ser
O teu canto, a tua voz
Tua presença entre nós
Parece um amanhecer.

Teu papel anticristão
Tua crise de moral
Tua tendência pra o mal
Só causa insatisfação
Tua incompreensão
Te impede de saber
E melhor compreender
O bom da vida o que é
A tua falta de fé
Parece um anoitecer.

Tua força de vontade
O teu perfil, teu talento
Este teu conhecimento
Teu carinho e amizade
Tua personalidade
A forma de conviver
Como sabes acolher
Qualquer pessoa excluída
O teu exemplo de vida
Parece um amanhecer.

Tua forte ignorância
Teu volume de defeitos
A soberba, os preconceitos
O orgulho, a arrogância
A falta de tolerância
A ganância pelo ter
A mania de querer
Ser melhor e narcisista
Prepotente e egoísta
Parece um anoitecer.

Apraz o teu bom humor
Tua calma, tua paz
Teu carisma, teu cartaz
O teu jeito acolhedor
Teu conceito, teu valor
O teu cuidado em fazer
O que é bom acontecer
Com gosto e com confiança
Tua firme liderança
Parece um amanhecer.

Teus atos irresponsáveis
Omissão e imprudência
A tua incompetência
Teus estresses incuráveis
Teus feitos desagradáveis
Levando alguém a sofrer
Querendo se engrandecer
Com mentira e enrolada
Esta tua vida errada
Parece um anoitecer.

Autor: Zé Bezerra




quinta-feira, 4 de maio de 2017

DITADURA & LIBERDADE

Quando alguém está aberto
Ao diálogo e ao debate
Não pensa dar xeque-mate
Dá outra oportunidade
A quem tem necessidade
De sair da rota escura
Distante da ditadura 
E perto da liberdade.

Quem não quer ser mais que os outros
E a soberba não pratica
Quem arrogante não fica
Quem possui simplicidade
Munido de alteridade
Servir ao outro procura
Distante da ditadura
E perto da liberdade.

Se a pessoa se mantém
Firme na crença divina
Ao próximo não discrimina
A todos tem amizade
Age com seriedade
Com gentileza e ternura
Distante da ditadura
E perto da liberdade.

Se da paz é promovente
E vive a cidadania
Lidera com maestria
Dentro da comunidade
Tem responsabilidade
Tem moral e tem lisura
Distante da ditadura
E perto da liberdade.

Aquele que não oprime
Não desacata e nem mente
Convive com o diferente
Preserva sempre a verdade
Mesmo com dificuldade
É firme a sua postura
Distante da ditadura
E perto da liberdade.

Autor: Zé Bezerra

terça-feira, 2 de maio de 2017

CHEIRO DO MATO

















É por demais agradável
Viajar pela floresta
Com o sol queimando a testa
Sem sentir nenhum maltrato
Tomando banho em regato
Vendo a luz dos pirilampos
Passeando pelos campos
Sentindo o cheiro do mato.

Pisando o barro vermelho
Se o período é chuvoso
Subindo em monte rochoso
Sutil igualmente um gato
Satisfazendo o olfato
Caminhando sem vexame
Passando em cerca de arame
Sentindo o cheiro do mato.

Na campina verdejante
A vegetação de inverno
Ganha o campo um novo terno
Num ambiente pacato
Os animais têm bom trato
É favorável a pastagem
Apraz olhar a paisagem
Sentindo o cheiro do mato.

É bom sentir o aroma
De aroeira e cumaru
Da flor do mandacaru
E a flor da erva- de -rato
Marmeleiro que é nato
Alfazema e jitirana
Dá pra passar a semana
Sentindo cheiro do mato.

Autor: Zé Bezerra




domingo, 30 de abril de 2017

PASSANDO A VIDA A LIMPO

Não permita que o mal
Predomine em seu viver
Busque realmente ser
Alguém de cabeça erguida
Que depois da recaída
Afasta-se do pior
Não pense em ser o melhor
Passe a limpo a sua vida.

Procure arrepender-se
Das más ações praticadas
Percorra novas estradas
Para achar boa saída
Tendo a alma arrependida
A chance sempre é maior
Não pense em ser o melhor
Passe a limpo a sua vida.

Livre-se do egoísmo
Tenha amor no coração
Saia da escuridão
Só ao bem dê acolhida
Seja honesto em sua lida
As custas do seu suor
Não pense em ser o melhor
Passe a limpo a sua vida.

Admita sua culpa
Se o erro concretizar-se
Queira sempre humanizar-se
Mesmo em hora constrangida
Amenize a dor sofrida
Para o mal ficar menor
Não pense em ser o maior
Passe a limpo a sua vida.

Autor: Zé Bezerra

domingo, 23 de abril de 2017

SER ASSIM DESSE JEITO

A pessoa que se autoavalia
Não vai ter consciência constrangida
Porque quer fazer quase todo dia
Uma autoanálise em sua vida.

Caminhando no tempo vai crescendo
Pra vencer empecilhos busca a fé
Passo a passo assim vai percebendo
A personalidade como é.

Revestida de boa educação
Tem firmeza nas suas atitudes
Está sempre a serviço do irmão
Pela força dos dons e das virtudes.

Mas não é tão comum que as pessoas
Tenham esse perfil em crescimento
Numa prática constante de ações boas
Apoiadas num bom comportamento.

Para isso é necessário ter
Compromisso com a fraternidade
Ser assim desse jeito tem que ser
Abastado de muita alteridade.

Autor: Zé Bezerra



terça-feira, 18 de abril de 2017

BELEZAS NATURAIS













 
O campo aromatizado
A verdejante floresta
Toda a passarada em festa
Num juazeiro copado
O horizonte azulado
As paisagens do sertão
A beleza do pavão
O cheiro que as flores têm
Essas coisas fazem bem
Aos olhos e ao coração.

O despontar da aurora
A manhã primaveril
O céu da cor de anil
Toda a beleza da flora
O sol com raios de fora
A lua com seu clarão
A água molhando chão
Na hora que a chuva vem
Essas coisas fazem bem 
Aos olhos e ao coração.

Os diferentes lugares
Os jardins e seus aromas
Ecossistemas, biomas
Montanhas, vales, pomares
Cachoeiras, rios, mares
Planeta, constelação
Os astros na amplidão
Estrelas que estão além
Essas coisas fazem bem
Aos olhos e ao coração.

Autor: Zé Bezerra


segunda-feira, 17 de abril de 2017

CRISTO RESSUSCITADO
















O cristão comprometido
Ele busca e acha Deus
Nunca sente-se perdido
Perante os problemas seus
Com fé e gratuidade
Tem disponibilidade
Do mais fraco é aliado
De discípulo dá a prova
E anuncia a boa nova
Do Cristo Ressuscitado.

Da comodidade sai
Para assumir compromisso
Na direção certa vai
Disposto a prestar serviço
Faz parte do dia a dia
Humildade e harmonia
Procura estar motivado
Na comunidade unida
Para celebrar a vida
Do Cristo Ressuscitado.

Sempre na hora precisa
Sem desânimo, sem preguiça
Orienta, evangeliza
Mostra de Deus a justiça
Fala da ressurreição
Ensina que o cristão
Pela Páscoa é renovado
E a nova luz irradia
Na festa da alegria
Do Cristo Ressuscitado.

Autor: Zé Bezerra

sábado, 8 de abril de 2017

MANIFESTO




















Viemos à praça pública
Sem precisar de escolta
Mostrar a nossa revolta
Nossa insatisfação
Nossa manifestação
Contra a ação imprudente
De um governo inconsequente
Que prejudica a nação.

O nosso protesto é contra
Senadores, deputados
Indivíduos detestados
Burgueses sem coerência
Vamos ter mais consciência
Dando o troco, sim senhor
Aos que votarem a favor
Da PEC da Previdência.

São falsos representantes
Que não respeitam ninguém
São sujeitos que só vêm
Nos decepcionar
Nas urnas vamos cassar
Deputado e senador
Que quer que o trabalhador
Morra sem se aposentar.

Somos contra os abusos
Descasos e desrespeitos
Aos legítimos direitos
Pelas lutas conquistados
Pelas leis assegurados
E agora em tempos críticos
Esses péssimos políticos
Querem que sejam acabados.

Não fomos nós, foram eles
Que quebraram a Previdência
Devido a incompetência
A desorganização
Dá tanta indignação
A prática de cambalacho
No Brasil de cima a baixo
Tem propina e corrupção.

Acabam concursos públicos
Com a terceirização
É tanta aberração
Visando um falso progresso
É horrível o retrocesso
Num tempo de derrocada
A nação é massacrada
Pela máfia do Congresso.

Com crise de segurança

E aumento da violência
Não dá pra ter paciência
Não dá pra se acomodar
Precisamos protestar
Dias, meses e semanas
Pras reformas desumanas
Irem pra o fundo do mar.

De olho nas consequências
Da medida repressora
A classe trabalhadora
Deve está mobilizada
Não pode ficar parada
Nem que chova canivete
Pra PEC dois, oito, sete
Não vir a ser aprovada.

Temos que ser vigilantes
Acompanhar com rigor
Deputado ou senador
Que a favor dela votar
Desse nós vamos cassar
Sua ficha, seu ingresso
Nunca mais para o Congresso
Esse infeliz vai voltar.

E o antipático senhor
Que está sendo presidente
É inimigo do povo
Zomba da cara da gente
Com a PEC da maldade
Sua popularidade
Não chega a cinco por cento
Só nos traz constrangimento
Junto com seus aliados
Todos vão ter que sair
O reinado vai cair
Seus dias estão contados.


Autor: Zé Bezerra





 

quinta-feira, 30 de março de 2017

NAS ENTRELINHAS DA VIDA












 
As fases da existência
Os diferentes caminhos
As formas de convivência
Pedras, rosas, os espinhos
As lutas, as omissões
Aventuras, ilusões
Os afazeres da lida
Ideais, sonhos, enredos
As esperanças, os medos
Nas entrelinhas da vida.

Desejos e incertezas
Impactos e desafetos
Acusações e defesas
Planejamentos, projetos
Aflições, ansiedades
Mesmices e novidades
Batalha ganha ou perdida
Desafios e dilemas
Dificuldades, problemas
Nas entrelinhas da vida.

Os defeitos, as virtudes
A partilha, o egoísmo
Decisões e atitudes
A descrença, o otimismo
As derrotas, as vitórias
Demarcações, divisórias
Uma memória esquecida
Recuos e sobressaltos
As quedas, os pontos altos
Nas entrelinhas da vida.

Existem ganhos e danos
Prazeres, festas e cruzes
Vontades, buscas e planos
Abismos, trevas e luzes
Espancamentos, abraços
Há sucessos e fracassos
Tem numa ação escondida
Segredos não revelados
Que podem ser enxergados
Nas entrelinhas da vida. 

Autor: Zé Bezerra







quarta-feira, 29 de março de 2017

VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

















Entende-se que a escola
É um ambiente de paz
De relacionamentos
Fraternos e cordiais
E de concórdia também
Para desenvolver bem
Ações educacionais.

Esse convívio sadio
Precisa a escola ter
Nela o professor ensina
Para o aluno aprender
A paz sendo preservada
Boa educação é dada
E tem sucesso o saber.

A busca pelo saber
Na vida é uma exigência
Por isso que a escola
De todos tem preferência
Se seu papel tem valia
Nela jamais deveria
Acontecer violência.

O cúmulo do absurdo
Seja no sul ou no norte
É uma escola ser palco
De briga e conflito forte
Desacato e confusão
Pânico, tumulto, agressão
E até casos de morte.

Esses fatos na escola
Não eram pra ter lugar
Essa instituição
É feita para educar
Tendo meta definida
Boa formação pra vida
Nela devemos buscar.

Infelizmente num mundo
Carente de amor e paz
As escolas não escapam
Das ações dos marginais
Essa coisa tão pior
A violência, a maior
Das mazelas sociais.

Autor: Zé Bezerra


sábado, 25 de março de 2017

VIVER ASSIM VALE A PENA

Use sua consciência
Não agrida, não exclua
Respeite a vida do outro
Para estar bem com a sua.

Não discrimine, não cause
Constrangimento a alguém
Seja feliz vendo os outros
Serem felizes também.

Agradeça sempre a Deus
Pela sua existência
Procure viver a vida
Sem praticar violência.

Seja sensato e encare
A vida como ela é
Sempre abasteça seu ser
De esperança e de fé.

No amor encontre a luz
Que a cada momento brilha
Valorize cada ação
De serviço e de partilha.

Enfim seja um ser humano
Feliz na vida terrena
E aos poucos perceba que
Viver assim vale a pena.

Autor: Zé Bezerra

sexta-feira, 24 de março de 2017

FAZER DA VIDA UM DOM DE AMOR

O papa Francisco é cheio
De sabedoria e luz
Motiva cada cristão
A carregar sua cruz
Já que é um requisito
Para seguir a Jesus.

Neste tempo quaresmal
Compete a cada cristão
Em Cristo e seu Evangelho
Buscar a transformação
Mudando no dia a dia
A mente e o coração.

Ouvindo e praticando
A Palavra do Senhor
Mantendo o firme propósito
De ser o seu seguidor
Fazendo da sua vida
Para o outro, um dom de amor.

Converter-se de verdade
É despojar-se e mudar
Libertando-se do ódio
Dispondo-se a perdoar
Que no caminho de Cristo
Só anda quem sabe amar.

Carregar a cruz implica
Renúncia e fidelidade
E para isso ser feito
Há sempre dificuldade
Mas Jesus compensa dando
A plena felicidade.

Autor: Zé Bezerra

quinta-feira, 23 de março de 2017

A PERDA DO COSTUME DE VIVER












 
A pessoa que fica entristecida
Por um fato que venha  acontecer
Não resiste aos impactos negativos
Assim vai aumentando o seu sofrer
Mergulhada em tristeza e amargura
Vai perdendo costume de viver.

Sendo forte o estado depressivo
Está sempre aumentando o desprazer
Com a autoestima estando em queda
Fica o quadro ruim de soerguer
Quem se encontra em tal situação
Vai perdendo o costume de viver.

As preocupações e os estresses
Têm mais chances de assim permanecer
Junto àquele indivíduo bem nervoso
Que às vezes não sabe se conter
E diante de algumas turbulências
Vai perdendo o costume de viver.

Isso é independente da idade
Que qualquer ser humano possa ter
Se o psicológico é abalado
Não é fácil o problema resolver
Sempre aquele que sofre esses transtornos
Vai perdendo o costume de viver. 

Autor: Zé Bezerra



terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

TODOS MERECEM VIVER













Seres vivos em geral
Cada espécie dividida
Nos reinos em que há vida
Animal e vegetal
Pelo ciclo natural
Tem início cada ser
No momento de nascer
Depois morre com certeza
Pela lei da natureza
Todos merecem viver.

Toda criatura viva
Tem esse merecimento
Mesmo tendo sofrimento
Cada vida é positiva
E significativa
Respeitada deve ser
Para o ente vivo ter
Como viver de verdade
Porque com dignidade
Todos merecem viver.

Na existência terrena
A vida material
É própria de cada qual
Devendo ser digna e plena
Porque viver vale a pena
Jamais deixa de valer
É um crime interromper
Um direito tão profundo
Em qualquer lugar do mundo
Todos merecem viver.

Portanto viva e permita
O outro viver também
Lembre-se que vive bem
Quem em Jesus acredita
Quem serve a quem necessita
Quem ao outro dá prazer
Quem diminui o sofrer
Do infeliz da sargeta
Já que em nosso planeta
Todos merecem viver.

Autor: Zé Bezerra




sábado, 25 de fevereiro de 2017

A FOLIA É DO POVÃO
















No Brasil, quando ainda era Colônia
No comando do rei de Portugal
Foi então nesse tempo que o povo
Começou a brincar o carnaval.

Toda a classe sofrida e dominada
Nesses dias pra terem diversão
Tinha que receber dos poderosos
Uma espécie de autorização.

Recebendo o apoio do Império
Desde o sábado até a terça-feira
Vinham grupos com suas fantasias
Blocos de carnaval do Zé Pereira.

Na Bahia saía o povo negro
Exibindo cordões e afoxés
No Recife era a vez dos capoeiras
Que no frevo ganhavam nota dez.

É nas grandes metrópoles brasileiras
Que as escolas de samba vêm mostrar
Carnaval luxuoso das elites
Em sambódromo famoso a desfilar
Mas os blocos atraem a multidão
Já que a grande folia é do povão
Nessa festa animada e popular.

Autor: Zé Bezerra

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

NOVO TEMPO, NOVA VIDA
















Estão se concretizando
Desejos e esperanças
Com as benéficas mudanças
Acontecidas no clima
Vai o campo enverdecendo
Com a terra absorvendo
A chuva que cai de cima.

A impiedosa seca
Com seus aspectos estranhos
Que dizimou os rebanhos
Aos poucos vai embora
A chuva a todos conforta
E a vegetação morta
Renasce a partir de agora.

E o período chuvoso
Vai o tempo transformando
Com a paisagem ficando
Atraente e multicor
Cheia de encanto e beleza
No quadro da natureza
Feito pelo Criador.

Os reservatórios d'água
Vão ficando abastecidos
Todos os campos floridos
O planalto, o vale, a serra
Vestem-se de verde terno
Com as chuvadas de inverno
Banhando a face da terrra.

Com isso a fome e a sede
Dos animais vão sumindo
Novas portas vão se abrindo
Com o fim da seca selvagem
Tem lama e tem atoleiro
Gado não quer mais cardeiro
Em todo canto há pastagem.

Após cinco longos anos
De seca devoradora
No campo vai ter lavoura
Por um prodígio divino
E Deus concede em seguida
Novo tempo, nova vida
Para o povo nordestino.

Autor: Zé Bezerra

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O QUE A IDADE NÃO LIMITA















Não existem limites pra sonhar
Por não ser uma prática temporária
Já que não está presa à faixa etária
Ninguém deve querer quantificar
Tudo  aquilo que a gente desejar
Deve ser com a plena liberdade
Sem estorvo, sem contrariedade
Evitando que ocorram frustrações
Para sonhos, desejos e ilusões
Não existem limites de idade.

Pode um jovem tornar-se iludido
Porque não satisfaz os seus desejos
E um adulto frustrado sem ensejos
Perde a calma ficando enraivecido
Vê-se um adolescente aborrecido
Estranhando qualquer dificuldade
E um idoso bem cheio de vontade
Luta em busca de realizações
Para sonhos, desejos e ilusões
Não existem limites de idade.

Importante é que a boa autoestima
Da pessoa procure ser mantida
E nas fases sequenciais da vida
A personalidade esteja acima
Visto que a velhice se aproxima
Isso não represente ambiguidade
Nem desgaste a personalidade
Sem conflitos e sem reclamações
Para sonhos, desejos e ilusões
Não existem limites de idade.

Autor: Zé Bezerra