domingo, 28 de agosto de 2016

OLIMPÍADAS DO AMOR












Só somos todos olímpicos
Se lutarmos para ser
Atletas bem preparados
Na escola do viver
Com muita luz e axé
Cheios de esperança e fé
E coragem pra vencer.

Olímpicos podemos ser
Se o nosso coração
Estiver abastecido
De caridade e perdão
Ternura e fraternidade
Alegria e liberdade
Igualdade e doação.

Assim os olímpicos são
Aqueles que querem ouvir
O clamor dos oprimidos
Para em prol deles agir
Sem discriminar ninguém
Vivendo em função do bem
Dispostos para servir.

Olímpicos para seguir
As pegadas de Jesus
Conduzidos pela graça
Guiados por sua luz
Sem recuar nos confrontos
Sempre atentos, sempre prontos
Para carregar a cruz.

O olímpico assim conduz
A tocha da amizade
A qual acesa na pira
Da solidariedade
Dá ao atleta um tesouro
Que é conquistar o ouro
Da justiça e da verdade.

A vida em comunidade
Dá ao olímpico vigor
Para com técnicas de paz
Ele ser um vencedor
De conflitos e batalhas
E campeão de medalhas
Nas Olimpíadas do Amor.

Autor: Zé Bezerra




segunda-feira, 22 de agosto de 2016

COMUNICAÇÃO QUE DESUMANIZA















Tem trazido a tecnologia
Mais avanços na comunicação
As pessoas têm mais facilidade
De acesso a qualquer informação.

No entanto, a comunicação física
Vai aos poucos ficando para trás
A medida que vai sendo trocada
Por modernos recursos virtuais.

Não precisa ninguém sair de casa
Pra falar com pessoas diferentes
Nas diversas paragens do universo
Em quaisquer regiões dos  continentes.

Como o uso está sendo em excesso
Vê-se que o diálogo é esquecido
O que faz o relacionamento
Das famílias ficar comprometido.

O contraste vai se configurando
Como oásis no meio do deserto
Aproxima quem está muito distante
Mas afasta aquele que está perto.

Autor: Zé Bezerra






sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O DESPERTAR DA PASSARADA
















Ao amanhecer o dia
Logo assim que se levantam
Os pássaros deixam os ninhos
Pousam nos galhos e cantam
Sem tropeços, sem deslizes
Anunciando felizes
A aurora que clareia
Ao findar-se a madrugada
Todo dia a passarada
Desperta alegre e gorgeia.

Essa festa natural
Ocorre diariamente
Antes do raiar do sol
Na janela do nascente
Toda essa animação
Dos pássaros numa canção
Que embevece a aldeia
Ao romper da alvorada
Todo dia a passarada
Desperta alegre e gorgeia.

É a voz da natureza
Num belo coral divino
Que começa um novo dia
Entoando um belo hino
São pipilos e trinados
Os chilreios afinados
Num tom brando que vagueia
Por cada planta orvalhada
Todo dia a passarada
Desperta alegre e gorgeia.

É onde existe arvoredo
Onde tem floresta e mata
Que é mais forte e frequente
Dos pássaros, a serenata
Enquanto amanhece o dia
A algazarra, a folia
Não cantam como a sereia
Mas é um coro que agrada
Todo dia a passarada
Desperta alegre e gorgeia.

Canta xexéu e vem-vem
Azulão e bem- te - vi
Cancão, sabiá, craúna
Maritaca e colibri
Pintassilgo e rouxinol
Canário ao nascer do sol
Vai trinando de voz cheia
E o teréu só faz zoada
Todo dia a passarada
Desperta alegre e gorgeia.

Autor: Zé Bezerra









quarta-feira, 17 de agosto de 2016

AMOR FAMILIAR














Pais que amam os seus filhos
Filhos que amam seus pais
Esse amor familiar
Muita diferença faz.

Abençoados os pais
Que rompem os empecilhos
E fazem grandes esforços
Para educar os filhos.

Os valores são os brilhos
Afugentando a quizília
Para dar integridade
E estrutura à família.

Para existir na família
Paz, harmonia, união
Ela precisa assumir
O compromisso cristão.

A mútua compreensão
Diálogo, afetividade
Com certeza dão ao lar
Maior estabilidade.

A nossa sociedade
Só pode caminhar bem
Se as famílias conseguirem
Caminhar firmes também.

Autor: Zé Bezerra


quinta-feira, 4 de agosto de 2016

VERSEJANDO SOBRE A APLA














De ideias brilhantes surge um plano
Com o objetivo, a pretensão
Incentivo a valorização
Para uma entidade que assegura
O apoio, o espaço, a acolhida
Que deseja fazer de forma unida
O engrandecimento da cultura


Nasce a Academia Patuense
Sob o crivo da organização
Mais de um ano já tem de fundação
Vai aos poucos firmando os seus princípios
Da cultura pretende ser empório
Abrangendo o grande território
De Patu e mais quatro municípios


Olho D’água do Borges e Patu
Estendendo-se a Rafael Godeiro
Tem Messias Targino no roteiro
E Almino Afonso outra cidade
Neste âmbito floresce a Academia
O seu lema diz que Sabedoria
Só é nobre se tem Alteridade


Bons propósitos e metas tem a APLA
Para ver a cultura florescer
Ampliando o mundo do saber
Apoiando o trabalho, a criação
Do poeta, do músico e do pintor
Dramaturgo, cantor e escritor
Dançarino, escultor e artesão


É papel desta organização
Ser aporte para a literatura
Com a linha de ação que assegura
Cada uma pessoa que pertence
Ao campo das Letras e das Artes
Para assim promover os baluartes
Que constroem a cultura patuense.




Autor: Zé Bezerra