terça-feira, 29 de novembro de 2016

FALTA DE AMOR, A MAIOR POBREZA

Seja em qualquer lugar
Aqui, ali ou além
É paupérrimo quem não tem
Capacidade de amar
Quem é assim vai estar
Sempre cheio de amargor
Sem nunca poder dispor
De afeto e gentileza
Porque a maior pobreza
Está na falta de amor

Quem não ama não conhece
A relevância da vida
É como a árvore pendida
Sopra o vento ela estremece
O verde desaparece
As folhas perdem a cor
Não amar é sentir dor
É entregar-se à tristeza
Porque a maior pobreza
Está na falta de amor.

Sem amor a vida é vaga
O coração é vazio
De pensamento sombrio
O espírito se embriaga
Egoísmo é como praga
A mágoa traz dissabor
Quem não ama é sofredor
No ódio a alma está presa
Porque a maior pobreza
Está na falta de amor.

A pessoa que não ama
Manifesta arrogãncia
Porque não tem tolerância
De qualquer coisa reclama
Atira os outros na lama
Com  grosseria e rancor
É cheia de desamor
Apatia e avareza
Porque a maior pobreza
Está na falta de amor. 

Autor: Zé Bezerra

domingo, 27 de novembro de 2016

NEM BOÊMIO, NEM SERENATA

















Com a modernidade de hoje em dia
Há no mundo a maior transformação
Ninguém sai conduzindo um violão
Pra cantar combatendo a nostalgia
Não há mais quem cultive a boemia
Nem no bar, nem na praça, nem na rua
Essa prática acabou, não continua
É passado que foi não se resgata
Hoje não mais existe a serenata
Do boêmio cantando à luz da lua.

Hoje tudo está muito diferente
Do que era quarenta anos atrás
Se tratando de gostos musicais
A sensibilidade está ausente
Só há mais o agito, o ritmo quente
Seja em festa de clube e meio de rua
Quem é da velha guarda só recua
Suportando a saudade que maltrata
Hoje não mais existe a serenata
Do boêmio cantando à luz da lua.

O rapaz que saía à madrugada
Com a sua atitude audaciosa
Pra cantar com a voz melodiosa
Na janela do quarto da amada
Na frieza da noite enluarada
Despertava a jovem seminua
Que ali aumentava a paixão sua
Nos reflexos da lua cor de prata
Hoje não mais existe a serenata
Do boêmio cantando à luz da lua.

Autor: Zé Bezerra

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

NOSSAS ESCOLHAS

Importante é fazer nossa escolhas
Com bom senso e responsabilidade
Evitando que o constrangimento
Prejudique a personalidade.

Atitudes tomadas com critério
E firmeza nas nossas posições
Isso possibilita certamente
Segurança maior nas decisões.

Geralmente a escolha quando é feita
Com critério, atenção e com cuidado
Corresponde as expectativas
Porque vai agradar o resultado.

Escolher com vontade e empatia
É um passo acertado que alguém deu
Na verdade está satisfazendo
O desejo daquele que escolheu.

Fazer boas escolhas dá prazer
Desvantagens não fazem interferências
No entanto, quando escolhemos mal
A ressaca é sofrer as consequências.

Autor: Zé Bezerra


terça-feira, 22 de novembro de 2016

NOVEMBRO AZUL

















Contra o câncer de próstata
Pra saúde garantir
Nós homens vamos agir
Seja no norte ou no sul
E sem ter recusa alguma
Vamos estar em mais uma
Campanha "Novembro Azul."

Essa campanha pretende
Despertar a consciência
Para o homem ter prudência
Sem timidez e vexame
E se a consciência aumenta
Ele a partir dos cinquenta
Faz todo ano o exame.

Com o exame de sangue
Chamado PSA
O resultado será
Certamente de proveito
Na prevenção contra o mal.
Depois do toque retal
O diagnóstico é feito.

Os hábitos alimentares
Devem ser observados
Cardápios engordurados
À saúde causa ofensa
Então vamos corrigir
Cuidando pra prevenir
Esse tipo de doença.

Se a sua consciência
Está aumentando mais
Às dietas vegetais
Procure dá mais valor
Entenda também que até
Vitaminas "B" e "E"
Têm efeito protetor.

Portanto, homem se cuide
É positivo o efeito
Combata o preconceito
Que só traz dificuldade
Mesmo estando em alta idade
Faça a saúde valer
Que importante é viver
A vida com qualidade.

Autor: Zé Bezerra



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

ABRIR O CORAÇÃO















Meu coração vou abrir
Para aprender a amar
Compreender, perdoar
E a ninguém excluir
Com desejo de servir
A pessoa mais sofrida
Sem nunca negar comida
A quem precisa de pão
Vou abrir o coração
Às coisas boas da vida.

Para não perder de vista
A prática da caridade
Buscar mais fraternidade
Pra ser menos egoísta
E não excluir da lista
Uma convivência unida
Dizer sim à acolhida
Não à discriminação
Vou abrir o coração
Às coisas boas da vida.

Não vou agredir ninguém
Porque isso é desleal
Praticar menos o mal
Tentar fazer mais o bem
Ajudando a quem não tem
Encontrando uma saída
Para uma causa perdida
Já quase sem solução
Vou abrir o coração
Às coisas boas da vida.

Vou andar pelo país
Novas terras conhecer
Olhar o mundo e dizer
-- Estou vivendo feliz
Seguindo uma diretriz
Planejada e definida
Depois da meta atingida
Louvo a Deus com gratidão
Vou abrir o coração
Às coisas boas da vida.

Autor: Zé Bezerra