domingo, 19 de maio de 2024

SER RESILIENTE

Quando um baque inesperado

Abala a vida da gente

Se uma força interior

Ajuda a seguir em frente

É assim que a pessoa

Passa a ser resiliente.


Quando do corpo e da mente

Essa força se aproxima

O desânimo vai sumindo

Quem está triste se anima

Logo se reestrutura

Pra dar a volta por cima.


Ao erguer a autoestima

Depois da adversidade

Desprende-se das amarras

Pisa o chão da liberdade

Começando a respirar

Um ar de felicidade.


E nessa realidade

Vive-se a experiência

De um pensar positivo

De vigor e paciência

Esses são os bons sinais

Vindos da resiliência.


Isso nos traz resistência

Pelo revigoramento

Há impulso no viver

Na coragem há um aumento

Gerando atitudes firmes

Superando o sofrimento.


O sopro de um novo vento

Diminui os calafrios

Driblando fracasso e medo

Segue-se pelos desvios

Que a resiliência ensina

Superar os desafios.


Autor: Zé Bezerra


segunda-feira, 6 de maio de 2024

UM GRANDE VENCEDOR VENCIDO

 Trinta anos já faz que Ayrton Senna

Um piloto de fama mundial

Sendo vítima de acidente fatal

Chega ao fim sua vida curta e plena

O juízo da morte lhe condena 

E a sentença do jovem sonhador

Foi perversa causando grande dor

Hoje Senna somente a Deus pertence

Num primeiro de maio a morte vence

Quem na vida foi grande vencedor.


Só com trinta e quatro de idade

Sua habilidade era incomum

Um piloto exemplar da Fórmula Um

E fenômeno pra toda a humanidade

Que nas pistas com mais velocidade

Foi destaque por ser superior

A McLaren arrasava no motor

Hoje sem Senna não faz um que compense

Num primeiro de maio a morte vence

Quem na vida foi grande vencedor.


Foi do mundo três vezes campeão

Disputou com Schumacher e Alain Pros

Por ser mais talentoso e mais veloz

Do GP San Marino é atração

Mas do carro quebrou-se a direção

Provocando um momento de horror

No autódromo de Ímola, houve clamor

Desespero, angústia, dor, suspense

Num primeiro de maio a morte vence

Quem na vida foi grande vencedor.


Autor: Zé Bezerra






segunda-feira, 29 de abril de 2024

O FOGO DO AMOR NO PEITO

A saudade no peito é congelada

Quando ela na gente permanece

Mas a chama do amor é quem aquece

E a saudade com isso é recuada

Todo o esfriamento acaba em nada

Sem o gelo a quentura logo invade

O amor oferece liberdade

E o ego já fica satisfeito

QUANDO O FOGO DO AMOR AQUECE O PEITO

VÃO SUMINDO AS GELEIRAS DA SAUDADE.


A pessoa não sente alegria

Fica o corpo indisposto e sonolento

Atingido pelo esfriamento

Pela ansiedade e apatia

Por ter a solidão na companhia

Sente crise de infelicidade

Mas na hora que ama de verdade

Pra por fim nessas coisas acha jeito

QUANDO O FOGO DO AMOR AQUECE O PEITO

VÃO SUMINDO AS GELEIRAS DA SAUDADE.


O amor é quem causa a sensação

De ternura, amizade e acolhida

Dando maior sentido para a vida

E um fogo igual ao da paixão

Se o amor contamina o coração

Não existe lugar pra falsidade

Que quem ama tem muita qualidade

O que pode anular qualquer defeito

QUANDO O FOGO DO AMOR AQUECE O PEITO

VÃO SUMINDO AS GELEIRAS DA SAUDADE.


Autor: Zé Bezerra


segunda-feira, 22 de abril de 2024

LOROTAS DIGITAIS

São tantas notícias falsas

Chegando a todo momento

Para você não crer nisso

Tem que ficar mais atento

Ao que chega ao celular

Procure selecionar

Descarte os fatos banais

Tenha um senso equilibrado

Evite ser enganado

Por lorotas digitais.


Saiba que as fakes news

São feitas na intenção

De propagar a mentira

E a desinformação

Então fique mais ativo

Frente ao fator negativo

Que as redes sociais

Espalham por todo lado

Evite ser enganado

Por lorotas digitais.


Em muitas partes do mundo

As mudanças são gigantes

Os avanços midiáticos

São por demais fascinantes

Devido a praticidade

E com a facilidade

Que a internet traz

Com isso tenha cuidado

Evite ser enganado

Por lorotas digitais.


São bem menos as postagens

Feitas em função do bem

O povo posta o que quer

Porque limites não têm

Os que têm más intenções

Promovem alienações

Violência e muito mais

Tudo muito acelerado

Evite ser enganado

Por lorotas digitais.


É bom estar mais alerta

Pra o contágio dessa febre

Seja mais esclarecido

Não pense que gato é lebre

Só dê atenção aos fatos

Veja bem que os boatos

Nesses tempos atuais

Muitos danos têm causado

Evite ser enganado

Por lorotas digitais.


Autor: Zé Bezerra



quinta-feira, 18 de abril de 2024

ÍNDIGENA SIM, ÍNDIO NÃO

Lembrando os povos indígenas

Nos versos, na poesia

Pela passagem do dia

Dezenove de abril

São eles os pioneiros

Por terem sido os primeiros

Habitantes do Brasil.


É um povo que merece

De nós o maior respeito

Abaixo o preconceito

E a falta de educação

Para não menosprezar

Começando por falar

Indígena sim, índio não.


Dizer indígena e não índio

Assim é certo dizer

Começar reconhecer

Dessa gente a trajetória

E identidade pura

Suas lutas, a cultura

O legado e a história.


O nome índio surgiu

Como registra a história

De uma forma aleatória

Porque Colombo, enganado

Quando por aqui passou

Simplesmente imaginou

Que às Índias tinha chegado.


Índio é um estereótipo

É termo pejorativo

Taxa o povo primitivo

De rude e de perigoso

Mal comportado e selvagem

Que gosta da malandragem

Atrasado e preguiçoso.


Indígena é o termo certo

De verdadeiro sentido

Desse povo aqui nascido

Que engrandece a nação

Povo guerreiro e valente

Mesmo sendo diferente

É também um povo irmão.


Autor: Zé Bezerra