sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O QUE A IDADE NÃO LIMITA















Não existem limites pra sonhar
Por não ser uma prática temporária
Já que não está presa à faixa etária
Ninguém deve querer quantificar
Tudo  aquilo que a gente desejar
Deve ser com a plena liberdade
Sem estorvo, sem contrariedade
Evitando que ocorram frustrações
Para sonhos, desejos e ilusões
Não existem limites de idade.

Pode um jovem tornar-se iludido
Porque não satisfaz os seus desejos
E um adulto frustrado sem ensejos
Perde a calma ficando enraivecido
Vê-se um adolescente aborrecido
Estranhando qualquer dificuldade
E um idoso bem cheio de vontade
Luta em busca de realizações
Para sonhos, desejos e ilusões
Não existem limites de idade.

Importante é que a boa autoestima
Da pessoa procure ser mantida
E nas fases sequenciais da vida
A personalidade esteja acima
Visto que a velhice se aproxima
Isso não represente ambiguidade
Nem desgaste a personalidade
Sem conflitos e sem reclamações
Para sonhos, desejos e ilusões
Não existem limites de idade.

Autor: Zé Bezerra



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

FOCANDO O TEMPO PRESENTE
















Procure viver a vida
Controlando os sentimentos
Ora dando passos lentos
Ora apressadamente
Sem ficar indiferente
Aos dons que Deus lhe tem dado
Não chore por seu passado
Lute pelo seu presente.

Se pensa em viver melhor
Veja que o tempo mudou
Aquilo que já passou
Permanece só na mente
Se saudade a gente sente
No peito tudo é guardado
Não chore por seu passado
Lute pelo seu presente.

O passado deve estar
Servindo de experiência
Mas a nossa consciência
Deve indicar que a gente
Tem que pensar diferente
Porque tudo está mudado
Não chores por seu passado
Lute pelo seu presente.

O tempo que já se foi
Esse não volta jamais
O que ficou para trás
Não pode vir para frente
O momento atualmente
Deve ser priorizado
Não chore por seu passado
Lute pelo seu presente.

Trabalhe e se organize
Elabore seus projetos
Por resultados concretos
Batalhe diariamente
Quando estiver descontente
Não fique desanimado
Não chore por seu passado
Lute pelo seu presente.

Autor Zé Bezerra


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

BARREIRAS DO MEDO















Recuamos muitas vezes
Quando a carga está pendida
Com o desânimo impedindo
De achar uma saída
Bons frutos pouco colhemos
Geralmente porque temos
Medo de encarar a vida.

Pela falta de coragem
A dificuldade aumenta
Diante dos desafios
Quem é medroso não tenta
Não busca o que está querendo
E assim vai percebendo
O que o medo representa.

Por medo, os objetivos
Deixam de ser alcançados
Muitos planos são desfeitos
Caminhos são desviados
Nesses atos enfadonhos
Os mais importantes sonhos
Jamais são realizados.

Com medo ninguém investe
Em negócios pra lucrar
Não enfrenta a concorrência
Desiste de estudar
Teme as dificuldades
E as oportunidades
Não consegue aproveitar.

Quem tem medo, seus desejos
Não pode satisfazer
Não conquista uma vitória
A tudo fica a temer
Hoje como vive o povo
Quem tiver medo do novo
Está ruim pra viver.

É bom que se compreenda
Da vida todo segredo
E para saber vivê-la
Tem que aprender logo cedo
O rumo certo a tomar
Para poder derrubar
Essas barreiras do medo.

Autor: Zé Bezerra

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

UM BANHO DE NATUREZA















Senti a necessidade
De ir a um ambiente
Natural e diferente
Sem barulho de cidade
Cheio de tranquilidade
Ótimo para descansar
Encontrei esse lugar
Distante de Fortaleza
Um banho de natureza
Eu precisava tomar.

Uma natureza amada
Bem cuidada e protegida
Com cem por cento de vida
Sem floresta desmatada
Sem água contaminada
Sem poluição no ar
Onde o homem quer estar
Agindo em sua defesa
Um banho de natureza
Eu precisava tomar.

Um pouco longe daqui
Afastado do sertão
Sem desertificação
Sem jurema e calombi
Há um oásis ali
Onde a neve vem pousar
No verde a predominar
A água faz correnteza
Um banho de natureza
Eu precisava tomar.

Passei apenas três dias
Nesse lugar diferente
Sem seca, sem clima quente
Com bosques e serranias
Onde as noites são bem frias
E deslumbrante o luar
Em que se respira o ar
Da mais sublime pureza
Um banho de natureza
Eu precisava tomar.

Quem vai na certa não erra
Sendo feliz não se zanga
Fui até Guaramiranga
Pacoti, Linha da Serra
Pude pisar numa terra
Que fica longe do mar
Observei um lugar
De maravilha e riqueza
Um banho de natureza
Eu precisava tomar.

Palmeiras e mangueirais
Eucaliptos gigantes
Arvoredos verdejantes
Ingazeiras, pinheirais
Algarobas, bambuzais
Que flora espetacular!
Flores enchendo o pomar
De perfume e de beleza
Um banho de natureza 
Eu precisava tomar.

Vi ali os juritis
Canários, xexéus, pardais
Rouxinois e sabiás
Azulões e colibris
Vi maritaca e perdiz
Vi a jaçanã voar
A asa branca cantar
E o arrulho da burguesa
Um banho de natureza 
Eu precisava tomar.

Autor: Zé Bezerra









sábado, 14 de janeiro de 2017

COLHEMOS O QUE PLANTAMOS
















Um adágio de verdade
Que aflora o pensamento
Diz que ao se plantar vento
Vai se colher tempestade
E isso é realidade
Discutir não adianta
É uma certeza tanta
De teor absoluto
Na vida se colhe o fruto
Da semente que se planta.

A semente do amor
Plantada no coração
Gera paz e mansidão
E espírito acolhedor
Alegria, bom humor
Que a autoestima levanta
O bem ao mal espanta
Tendo a fé como produto
Na vida se colhe o fruto
da semente que se planta.

Mas se o ódio é semeado
É cruel a consequência
Briga, intriga e violência
Em um mundo conturbado
Pelo conflito gerado
Que amedronta e desencanta
A maldade se agiganta
Crescendo a cada minuto
Na vida se colhe o fruto
Da semente que se planta.

Autor: Zé Bezerra