terça-feira, 30 de junho de 2015

NÃO TAPE O SOL COM PENEIRA



















Falem da crise da Grécia
Que o "euro" ali virou rifa
Da lei dura da Indonésia
Da máfia que há na Fifa
Que Putim é dedo duro
E o presidente Maduro
É chavista de carteira
Digam pra o mundo saber
Não adianta querer
Tapar o sol com peneira.

Não adianta dizerem
Que o Brasil está bem
Tudo está sob controle
Coisa errada aqui não tem
Quem roubou foi pra prisão
Acabou-se a corrupção
E a crise brasileira
Já vai desaparecer
Não adianta querer
Tapar o sol com peneira.

Inoportuno é falar
Que o pior já passou
A inflação vai baixar
O desemprego parou
Que o povo está satisfeito
E o governo deu um jeito
De acabar a quebradeira
Só progresso vamos ter
Não adianta querer
Tapar o sol com peneira.

É lorota descabida
É conversa esfarrapada
De quem diz que a Lava Jato
É tudo coisa inventada
Que pior é na Argentina
Aqui não houve propina
Em contrato de empreiteira
Isso nunca aqui vai ter
Não adianta querer
Tapar o sol com peneira.

E se da maioridade
Aprovarem a redução
Será para a violência
Do país a solução
Que o menor trancafiado
Vai ficar recuperado
E a seleção brasileira
Não merecia perder
Não adianta querer
Tapar o sol com peneira.

Autor: Zé Bezerra

quinta-feira, 25 de junho de 2015

VEGETAÇÃO NORDESTINA


 











Mororó e jatobá
O coqueiro catolé
Pau d'arco, pé de coité
Oiticica, trapiá
Mofumbo, angico, jucá
Xique-xique, juazeiro
Unha de gato, pereiro
E urtiga cansansão
Compõem a vegetação
Do nordeste brasileiro.

Matapasto, mulungu
Umburana, maniçoba
Quina-quina, algaroba
Aveloz, mandacaru
Fedegoso, cumaru
Cajazeira, espinheiro
Macambira, umbuzeiro
Vê-se em todo sertão
Compondo a vegetação
Do nordeste brasileiro.

Alfazema, catingueira
Capim panasco, tingui
Jitirana, calombi
Jurema preta, aroeira
Sarça, velame, ingazeira
Muçambê e marmeleiro
Carnaubeira, oitizeiro
Babugem que cobre o chão
Compõem a vegetação
Do nordeste brasileiro.

Autor: Zé Bezerra

terça-feira, 16 de junho de 2015

SIM À PAZ, NÃO À GUERRA



















Para dar mais importância
E maior sentido à vida
A união entre os povos
Deveria ser mantida
Para que diariamente
Em cada um continente
A paz fosse construída.

A guerra foi e será
Para o mundo o grande mal
Sua ação destruidora
Gera efeito mundial
Atormenta e hostiliza
Só a paz revitaliza
O tecido social.

Deus quer que a paz exista
Entre cristãos e ateus
Entre as religiões
Entre ricos e plebeus
Entre gregos e troianos
Entre todos os humanos
A paz é o próprio Deus.

Como a guerra sempre foi
Invenção do satanás
Devia ser rejeitada
Pelos males que ela faz
Defendê-la não adianta
Não existe guerra santa
Só quem é santa é a paz.

Com relacionamento
Sadio vive-se bem
Priorizar o respeito
E o diálogo também
Manter a paz nas nações
São grandes obrigações
Que a humanidade tem.

A paz é branda e afável
A guerra é torpe e feroz
A paz emana do amor
A guerra é trágica e atroz
Vamos a paz promover
Para este mundo ser
Melhor para todos nós.

Autor: Zé Bezerra

domingo, 14 de junho de 2015

O GIGANTE ACORDOU



















O Brasil no seu berço eternamente
Em um sono profundo a ressonar
Nem sequer escutava o som do mar
Fosse em tempo de chuva ou de sol quente
Aos problemas estava indiferente
Mas a voz retumbante ecoou
De um povo aguerrido que gritou
Cujo eco invadiu o seu ouvido
O eterno gigante adormecido
Sacudiu a cabeça e acordou.

Foram tantas as mobilizações
Envolvendo a nação de sul a norte
Dessa gente soou um brado forte
Estrondando em muitas direções
No calor dessas manifestações
Acendendo esperança o sol brilhou
Nova expectativa começou
Pelo sono que foi interrompido
O eterno gigante adormecido
Sacudiu a cabeça e acordou.

O gigante ao sair da sonolência
Viu a crise da sua economia
Viu que o desemprego só crescia
E era muito alarmante a violência
Viu a educação em decadência
E a saúde também não melhorou
A segurança pública declinou
Viu o povo assustado com bandido
O eterno gigante adormecido
Sacudiu a cabeça e acordou.

Despertando do sono pôde ver
Descaminho, escândalo, corrupção
O aumento incômodo da inflação
O país emperrado sem crescer
Os políticos brigando por poder
E a dívida pública triplicou
As voz rouca das ruas ressoou
Ele ouviu do seu povo o alarido
O eterno gigante adormecido
Sacudiu a cabeça e acordou.

Autor: Zé Bezerra

sábado, 13 de junho de 2015

O MESMO CAMINHO

















Foi Santo Antônio de Pádua
Quem afirmou certa vez
Que o bom caminho que leva
À verdade, à sensatez
Caminho restaurador
Que tem um duplo valor
Sua luz forte irradia
Para toda humanidade
O caminho da humildade
É o da sabedoria.

Quem é sábio e é humilde
Todo o seu ser consolida
Sobre um alicerce firme
Edifica a sua vida
Quem não carrega arrogância
Livra-se da ignorância
Possui a índole sadia
Adere à simplicidade
O caminho da humildade
É o da sabedoria.

O indivíduo orgulhoso
Menospreza o semelhante
Quer ser mais que o outro e tem
Comportamento pedante
Usa a discriminação
Só que vai na contramão
E muito se distancia
Da vida em comunidade
O caminho da humildade
É o da sabedoria.

É bom que o ser humano
Entenda perfeitamente
Que o homem para ser sábio
Não deve ser prepotente
Precisa pelo contrário
Ser com os outros solidário
Para que no dia a dia
Tenha mais felicidade
O caminho da humildade
É o da sabedoria.


Autor: Zé Bezerra