terça-feira, 22 de maio de 2018

A PAZ QUE RENOVA A VIDA

















A paz legítima promove
Na vida a transformação
É planta de uma semente
Nascida no coração
É o fruto de uma flor
Que no jardim do amor
Perfumada e colorida
Tem encanto e tem beleza
Porque essa é com certeza
A paz que renova a vida.

Paz que traz serenidade
Com o grande bem que faz
Justiça, luz e verdade
E consciência, ela traz
Moral e autonomia
Tranquilidade, alegria
Mente mais esclarecida
Discernimento e serviço
Realmente só faz isso
A paz que renova a vida.

Revitaliza o espírito
Estabelecendo a calma
Equilibrando as ações
Rejuvenescendo a alma
Apaziguando os conflitos
Desmitificando os mitos
Mostrando a clara saída
Para por fim aos tormentos
E os desentendimentos
A paz que renova a vida.

A paz que dá esperança
A paz que aponta a luz
A paz que afasta a guerra
A que leva a Jesus
A paz que educa e ensina
A paz que não discrimina
A paz que é preferida
A paz que é dom profundo
A paz que transforma o mundo
A paz que renova a vida.

Autor: Zé Bezerra

domingo, 20 de maio de 2018

DEVANEANDO NOS VERSOS

Quando uma ideia nova
Aproxima-se da mente
Podemos construir versos
Já com a métrica na frente
Dando expansão ao gênio
Que mora dentro da gente.

Com o estímulo do fogo
Que vem da inspiração
Pela criatividade
Vai surgindo a produção
De versos irradiantes
Iguais à constelação.

Esses versos têm a cor
Do cactus no pé do monte
Parecem com as estrelas
Brilhando no horizonte
São como grãos de areia
Que não tem ninguém que conte.

Seja no chão ou nos ares
Nos lajedos, nas quebradas
Nos pináculos, nos serrotes
Nas pedras empoeiradas
No pino  do meio dia
No frio das madrugadas.

Nesse sertão transformado
Depois que muito choveu
Porque a seca sumiu
E o inverno apareceu
As dádivas maravilhosas
Que o Criador concedeu.

Com inspiração que brilha
Qual estrelas e planetas
Galáxias, constelações
Asteroides e cometas
E suave como o voo
Das pequenas borboletas.

Autor: Zé Bezerra



terça-feira, 15 de maio de 2018

O JEITO DE SER E DE VIVER

Começamos trilhar nosso caminho
Na primeira infância, ainda criança
Vamos adquirindo confiança
Que no mundo ninguém está sozinho
Qual filhote que está deixando o ninho
Para aos poucos o mundo conhecer
E as suas nuances entender
Num processo que vai evoluindo
E assim cada dia construindo
O seu jeito de ser e de viver.

Os pilares da personalidade
São firmados ainda na infância
Se os valores estão em concordância
Tudo cresce na base da verdade
A justiça, o bem, a liberdade
Sendo bem cultivados vão crescer
A pessoa educada pode ver
Que os bons horizontes descortinam
São as boas ações que determinam
O seu jeito de ser e de viver.

Precisamos de muita instruções
A família nos dá as principais
A escola nos deve ensinar mais
Com saberes e orientações
Pelo ensinamento das lições
A melhor formação deve-se ter
Se o bem alguém gosta de fazer
O seu porte moral não diminui
Nesses moldes assim se constitui
O seu jeito de ser e de viver.

No entanto, se isso não for feito
E o sujeito crescer mal instruído
Um caminho adverso é percorrido
Onde não há caráter nem respeito
Quem pretende viver de qualquer jeito
Sua estrela começa escurecer
Se limites na vida não vai ter
Vai estar caminhando em via errada
Cada dia levando à derrocada
O seu jeito de ser e de viver.

A pessoa que tem mal coração
Para amar ao próximo é incapaz
Porque dentro de si o ódio traz
Por ninguém não tem consideração
O que quer é andar na contramão
Vendo alguém no fracasso tem prazer
Sente inveja do outro e só quer ver
Ele cheio de infelicidade
Tudo pela frieza e a maldade
Do seu jeito de ser e de viver.

Autor: Zé Bezerra



domingo, 29 de abril de 2018

OBSESSÃO PELAS TECNOLOGIAS MODERNAS













 
O Mário Sérgio Cortela
Em comentário relata
Que na hora que tomamos
Uma atitude sensata
Podemos sim recusar
Aquilo que nos maltrata.

Esse escritor se refere
Com clareza e maestria
Ao que as pessoas fazem
Seja de noite ou de dia
Tomadas de obssessão
Pela tecnologia.

Não é delas abrir mão
Pois nos dão muitas vantagens
Errado é a compulsão
Sem desgrudar das imagens
Com o tempo todo vendo
E digitando mensagens.

Como ele diz, não seria
Querer desvalorizar
As modernas ferramentas
Que estão em qualquer lugar
Seria usá-las bem
Sem nunca exagerar.

Evitemos o excesso
Nada dele é proveitoso
Faz deixar o indivíduo
Neurótico, tenso e nervoso
Entrando num precipício
Porque está com um vício
Altamente perigoso.

Autor: Zé Bezerra





sábado, 21 de abril de 2018

A VOLTA DAS CHUVAS
















Toda a seca já desapareceu
O melhor pra o sertão aconteceu
Só em vinte e dois dias já choveu
Muito mais que o ano anterior
Para que se registre num caderno
Toda a vegetação tem novo terno
É outono mas vive-se o inverno
Tempo bom para todo agricultor.

As estradas de barro atolando
Alguns trechos do asfalto rebentando
Os açudes pequenos arrombando
Continua chovendo todo dia
Nos riachos e rios, muita enchente
A paisagem está toda diferente
É admiração pra toda gente
Que essas cenas há tempo não se via.

Com as chuvas que caem no sertão
Há lugares com muita inundação
Em setores da nossa região
Tinha açude há dez anos sem encher
Hoje estes estão a transbordar
Vê-se o povo feliz comemorar
Tudo isso que o céu veio nos dar
Temos muito que a Deus agradecer.

Na mudança que a natureza fez
Falta d'água acabou-se duma vez
O pipeiro agora sem freguês
Ocioso está em desvantagem
Pondo o seu capital para render
Sem achar outra coisa pra fazer
Diz que tem caminhão para vender
Pra não vê-lo trancado na garagem.

Com o solo bastante umedecido
Todo o pasto no campo está crescido
Cresce o milho, o feijão está florido
É sinal que a lavoura está segura
De arroz vai ser boa a produção
A colheita de toda a plantação
Já garante ao povo do sertão
Revitalização da agricultura.

A alegria parece ser geral
A bonança foi providencial
Todos viram no céu o bom sinal
Pelas nuvens formando um torreão
Aí descortinou-se a chuvarada
Tarde, noite e até de madrugada
E a terra está fértil e bem molhada
Com a volta das chuvas ao sertão.

Autor: Zé Bezerra