sábado, 14 de janeiro de 2017

COLHEMOS O QUE PLANTAMOS
















Um adágio de verdade
Que aflora o pensamento
Diz que ao se plantar vento
Vai se colher tempestade
E isso é realidade
Discutir não adianta
É uma certeza tanta
De teor absoluto
Na vida se colhe o fruto
Da semente que se planta.

A semente do amor
Plantada no coração
Gera paz e mansidão
E espírito acolhedor
Alegria, bom humor
Que a autoestima levanta
O bem ao mal espanta
Tendo a fé como produto
Na vida se colhe o fruto
da semente que se planta.

Mas se o ódio é semeado
É cruel a consequência
Briga, intriga e violência
Em um mundo conturbado
Pelo conflito gerado
Que amedronta e desencanta
A maldade se agiganta
Crescendo a cada minuto
Na vida se colhe o fruto
Da semente que se planta.

Autor: Zé Bezerra


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

NA CAÇA DAS ILUSÕES


















Sigo e atravesso a ponte
Na caminhada sozinho
Vou procurando o caminho
Sinto sede, vou à fonte
Bebo água, subo o monte
Olho do dia os clarões
Cheio de contradições
Desço a serra, venho embora
Enquanto vejo a aurora
Fico caçando ilusões.

Numa madrugada fria
Após despertar do leito
A saudade aperta o peito
Aumentando a nostalgia
Antes que amanheça o dia
Vêm muitas recordações
No silêncio, as emoções
Movem quem suspira e chora
Enquanto vejo a aurora
Fico caçando ilusões.

É assim que o meu sonho
Transforma-se em pesadelo
Se tento compreendê-lo
Fico ainda mais tristonho
O dia a dia enfadonho
Não traz modificações
Somente as decepções
Vão ficando até agora
Enquanto vejo a aurora
Fico caçando ilusões.

Poderia eu estar
Contemplando a alvorada
Ouvindo da passarada
Um canto espetacular
Exposto à  luz do luar
Sem ter preocupações
Mas as minhas opções
Do prazer me deixam fora
Enquanto vejo a aurora
Fico caçando ilusões.

Autor: Zé Bezerra




segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A LEGÍTIMA PAZ


















 
A pura felicidade
Permanece em qualquer hora
Onde houver paz ela mora
Recheada de amizade
Amor e fraternidade
Espírito de doação
Diálogo e compreensão
Para praticar o bem
Só vive feliz quem tem
A paz no seu coração.

Alguém que tem muita grana
Dos bons lucros obtidos
Negócios bem sucedidos
No campo e na zona urbana
Acha que a vida é bacana
Porque tem mais de um milhão
Mas se houver ambição
Seu bem estar fica além
Só vive feliz quem tem
A paz no seu coração.

Quem tem coração fechado
A arrogância o inflama
Odeia porque não ama
De orgulho é dominado
Está aos bens apegado
Sentindo perturbação
Por nunca ter compaixão
Do sofrimento de alguém
Só vive feliz quem tem
A paz no seu coração.

Quem sofre e não se maldiz
Quem ama, quem abençoa
Quem tolera, quem perdoa
Quem corta o mal na raiz
Quem quer bem aos guris
Quem respeita o ancião
Quem ao faminto dá pão
Quem não briga com ninguém
Só vive feliz quem tem
A paz no seu coração.

Autor: Zé Bezerra

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

NO PASSAR DO TEMPO






















Fim de ano é fim de um tempo
Que passa e não volta mais
É a máquina que não para
E vai deixando sinais
Para adultos e crianças
Armazenarem lembranças
Das coisas que o tempo traz.

O tempo é quem tudo traz
Planos, iniciativas
Esperanças renovadas
Sonhos, expectativas
Do mundo atinge os confins
Com realidades ruins
Mas traz coisas positivas.

Os projéteis, as ogivas
Com o fim de destruir
O perverso que se alegra
Vendo o seu próximo cair
No entanto, o caridoso
De espírito generoso
Não se cansa de servir.

O tempo faz ressurgir
Diversas situações
Umas bastante agradáveis
Com boas repercussões
Outras só constrangimento
Aperreio, sofrimento
Transtornos, desilusões.

Acontecimentos bons
Em dois mil e dezesseis
Foram bem menos que os maus
Que surgiram a cada mês
Em dois mil e dezessete
Tudo isso se repete
Com mais os bons dessa vez!

Tempo que chefes e reis
Ostentam poder na terra
Usando a justiça injusta
Dão anistia a quem erra
Com ações incoerentes
Condenam os inocentes
Trocando a paz pela guerra.

Tempo que o planeta terra
Em sobreviver tem pressa
Tempo que um ano termina
E o outro logo começa
Trazendo os problemas seus
Que só no tempo de Deus
Amor é o que interessa.

Autor: Zé Bezerra




terça-feira, 27 de dezembro de 2016

INFINITOS SABERES























Saberes são infinitos
Importante é procurá-los
E na hora de buscá-los
É bom a gente saber
Que não há pontos extremos
Quanto mais nós aprendemos
Mais temos o que aprender.

Os saberes enriquecem
Deixam nossa vida ativa
É bom que a gente viva
Sempre atento a conhecer
Algo mais que nós queremos
Quanto mais nós aprendemos
Mais temos o que aprender.

Buscando conhecimentos
Estudamos Matemática
Artes, Letras, Informática
Também podemos saber
Além daquilo que lemos
Quanto mais nós aprendemos 
Mais temos o que aprender.

Compreendendo Hermenêutica
História e Filosofia
Linguística, Antropologia
Aptos para responder
Demonstrando o que sabemos
Quanto mais nós aprendemos 
Mais temos o que aprender.

Enfim em todas as áreas
Pode haver aprendizagens
A captação de mensagens
Nunca para de crescer
No intelecto que temos
Quanto mais nós aprendemos
Mais temos o que aprender.

Autor: Zé Bezerra