sexta-feira, 10 de julho de 2020

CUIDAREMOS MELHOR DO PLANETA?

















Sabemos que a pandemia
No mundo é o mal maior
Não podendo existir outra
Realidade pior
Mas em meio a essa guerra
O nosso planeta terra
Vem respirando melhor.

As imagens de satélites
Vistas na televisão
Emitidas pela Nasa
Disso nos chama a atenção
Uma notícia que agrada
Que é a acentuada
Queda da poluição.

O monóxido de carbono
Tem diminuído agora
O nitrogênio, o dióxido
Em baixa, trazem melhora
A todos os seres vivos
São aspectos positivos
Que surgem no mundo afora.

Pra fazer a fotossíntese
Plantas não têm embaraço
Houve equilíbrio no clima
Temperatura e mormaço
Vê-se a melhora surgindo
Menos fumaça subindo
Para agredir o espaço.

Ficou menos o barulho
Nos grandes centros urbanos
Durante a quarentena
Que foi imposta aos humanos
Pelo menos por uns dias
As praias estando vazias
Deram vida aos oceanos.

Teve a natureza um saldo
Na biodiversidade
Menos sujeiras nas águas
O ar com mais qualidade
Peixes felizes nadando
E a passarada cantando
Com mais vida e liberdade.

Logo o meio ambiente
Um grande alívio sentiu
Um saudável panorama
No horizonte surgiu
Isso ocorreu felizmente
Só porque bastante gente
Em casa se retraiu.

Bem concretos e visíveis
Exemplos foram mostrados
Que a freada nos humanos
Em tempos determinados
Não foi nenhuma surpresa
Trazer para a natureza
Excelentes resultados.

Diante disso façamos
Profunda reflexão
Dirigindo o pensamento
Para essa indagação
Com bom senso e com prudência
Dizendo pra consciência
Aprendemos a lição?

Será que ao terminar
Esse período incomum
Não poluir passa a ser
Tarefa de cada um
Tendo o mundo outra faceta
Cuidaremos do planeta
A nossa casa comum?

Autor: Zé Bezerra






segunda-feira, 6 de julho de 2020

MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS




















As inteligências múltiplas
Porque são dons naturais
Evoluem sempre mais
Com importante mudança
Que atinge o comportamento
Dando rápido crescimento
À mente de uma criança.

Por isso a criança deve
No dia a dia a  crescer
Em casa já receber
Os estímulos necessários
Pra seguir a trajetória
Desenvolvendo a memória
Com conhecimentos vários.

Também compete à escola
Atuar com competência
Buscando a eficiência
No seu papel pedagógico
E às crianças  instruir
Pra nelas evoluir
O raciocínio lógico.

Cálculos, pinturas, desenhos
Jogos são essenciais
Instrumentos musicais
Contos, interpretações
Também não podem faltar
Para a criança expressar
Diversas aptidões.

Ana Maria de Andrade
É quem transmite essas dicas
Com suas ideias ricas
Vê na criança as essências
E alerta escola e pais
Que não descuidem jamais
Das múltiplas inteligências.

Autor: Zé Bezerra










segunda-feira, 29 de junho de 2020

UM OUTRO TEMPO VIRÁ
















Estamos vivendo um tempo
Bem atípico à nossa frente
Tudo mudou de repente
Sem nem o povo entender
Porque isso acontecia
Mudou da noite pro dia
Nosso modo de viver.

Devido esta pandemia
Que atinge o mundo inteiro
Aqui e no estrangeiro
Da China à Faixa de Gaza
De Goiás ao Maranhão
Para a maior prevenção
A ordem é ficar em casa.

Por isso, aglomerações
É proibido existir
Não é pra ninguém sair
Nem santo ninguém festeja
Só dá desânimo e preguiça
E o padre celebra a missa
Quase sozinho na igreja.

Todo mundo usando máscara
Cumprindo o isolamento
Manter distanciamento
Quem tem juízo obedece
Porque são bem necessárias
Essas normas sanitárias
Vindas da O.M.S.

Sem as festanças juninas
Fogos ninguém solta mais
São João sem os arraiais
São Pedro sem ter fogueira
E quadrilhas, nem pensar
Fecharam buteco e bar
Também não tem bebedeira.

O maior São João do mundo
Não pôde haver em Campina
Não tem Cidade Junina
Este ano em Mossoró
Não houve o Dançar Patu
Nem também Caruaru
Foi capital do Forró.

Só o que existe é lives
Essas são até de mais
Os shows, todos virtuais
Não tem mais São João na roça
Os cantores, todos eles
Cantam lá na casa deles
E a gente na casa nossa.

Essa é a realidade
Do nosso tempo presente
Se tudo está diferente
Vamos nos acostumar
Com essa brusca mudança
Mas com fé e esperança
De ver esse mal passar.

Seja em nós a esperança
A luz e a fortaleza
Pra nos trazer a certeza
Da vitória em cada vida
Deus nos abençoará
Pois essa batalha está
Mais perto de ser vencida.

Daqui uns dias veremos
Igrejas cheias de gente
As escolas novamente
Lotadas de estudantes
Deus a graça vai nos dar
De tudo poder voltar
A ser o que era antes.

Se Deus é nosso aliado
Ninguém será contra nós
Tempo bom virá após
Este clima incomum
E o povo com fé e paz
Fará os seus arraiais
Em dois mil e vinte e um.

Acaba -se a tempestade
E vai chegar a bonança
A chama da esperança
Jamais irá apagar
Acredite e não duvide
Deus vai jogar a COVID
Nas profundezas do mar.

Autor: Zé Bezerra

segunda-feira, 22 de junho de 2020

PRA QUE TANTO RACISMO E PRECONCEITO

O racismo é desumanidade
É ausência de paz e tolerância
Consequência da pura ignorância
É efeito de inveja e de maldade
Preconceito é igual a falsidade
Tem recheios de ódio e desamor
Todo cara racista é portador
De ideias mesquinhas sem proveito
Pra que tanto racismo e preconceito
Se os sangues são todos de uma cor.

Quem tratar seu irmão com menosprezo
Só porque a cor dele é diferente
Além duma atitude indecente
De descriminação e de desprezo
É um crime e o réu deve ser preso
Por ferir de alguém o seu pudor
Recebendo da lei todo rigor
Pra saber com o outro ter respeito
Pra que tanto racismo e preconceito
Se os sangues são todos de uma cor.

O sujeito que insiste em ser racista
E por cima, um preconceituoso
É um prato indigesto e asqueroso
Com postura individualista
Sua mentalidade egoísta
Manifesta a conduta de opressor
Humilhando ao outro com rancor
Vale um zero esse tipo de sujeito
Pra que tanto racismo e preconceito
Se os sangues são todos de uma cor.

Autor: Zé Bezerra




O sujeito que insiste em ser racista







quarta-feira, 10 de junho de 2020

DÁ MEDO SAIR













Por estar muito longa a quarentena
A inquietação veio surgir
Dá-me tanta vontade de sair
Só em casa não vale mais a pena
A criatividade está pequena
Nunca mais contei minhas anedotas
Não escuto piadas nem lorotas
Não fiz mais as andanças que fazia
Só não vou bater pernas todo dia
Porque posso findar batendo as botas.

Tenho muita vontade de passar
Umas duas semanas viajando
Alguns pontos turísticos visitando
Subir serra, ir à praia, ver o mar
Ir ao shopping e no parque passear
Ver no lago o voo das gaivotas
Mas depois imagino que essas rotas
Ninguém pode fazer na pandemia
Só não vou bater pernas todo dia
Porque posso findar batendo as botas.

Meu desejo é sair a qualquer hora
Pra rever as pessoas e abraçá-las
Apertar junto ao peito e beijá-las
Expulsando o marasmo para fora
Mas o medo me ataca e apavora
Fica dando em meu ego cambalhotas
Então para evitar grandes derrotas
Fico em casa e não faço o que queria
Só não vou bater pernas todo dia
Porque posso findar batendo as botas.

Autor: Zé Bezerra