segunda-feira, 2 de novembro de 2009

LEMBRANÇAS DOS FALECIDOS

Quando um ser humano morre
Deixa no mundo a lacuna
No castelo da família
Desmorona uma coluna
Marca cada coração
A dor da separação
Lamentações e gemidos
Depois tudo vai passar
E na memória ficar
Lembranças dos falecidos.

Todos morrerão um dia
A morte é uma certeza
Mas não se pode encará-la
Sem angústia, sem tristeza
Mas isso passa, é verdade
O que fica é a saudade
Dos nossos entes queridos
Tios, pais, primos, avós
Desses, resta para nós
Lembranças dos falecidos.

Quando é dia de Finados
Muitos vão ao cemitério
Reverenciar os mortos
Naquele lugar funéreo
Em torno dos mausoléus
Elevam preces aos céus
Por seres inesquecidos
Cada um recorda e sente
Acumulando na mente
Lembranças dos falecidos.

Entre soluços e prantos
São muitas velas queimadas
Muitas flores e coroas
Nos túmulos depositadas
Missas e celebrações
Com cantos e orações
Corações entristecidos
Pela saudade infinita
Guardam daquela visita
Lembranças dos falecidos.

Realmente é muito triste
A derradeira partida
De quem veio a atingir
O ponto final da vida
Para os que ficam chorando
O tempo que vai passando
Consola os mais abatidos
Que das tristezas esquecem
Mas nunca desaparecem
Lembranças dos falecidos.

Autor: Zé Bezerra

Um comentário:

helena bezerra de araujo disse...

Quando li esta poesia senti uma recordação muito forte de todos os meus entes queridos que jà partiram para eternidade.