domingo, 7 de dezembro de 2008

Rima e Repente no Sertão Caboclo

O sertão que engrandece
Do vate a inspiração
Todo poeta enaltece
As belezas do sertão.

O caboclo do Nordeste
Da alma expressa o desejo
De ser um "cabra da peste"
Nordestino e sertanejo.

O sertão do boiadeiro
Do vaqueiro aboiador
Do poeta violeiro
Repentista cantador.

Caboclo cheira rapé
Galopa e bebe aguardente
Pra mostrar que o sertão é
Fonte de rima e repente!

Autor: Zé Bezerra

Um comentário:

João Sobral disse...

Salve o poeta sincero!