sábado, 29 de agosto de 2015

DEVANEIOS DE POETA















Despertando, criando e formulando
No espaço que o tempo evidencia
As ideias vão sendo formatadas
Para a transformação em poesia
Com o texto a partir de um contexto
Seja em realidade ou fantasia.

O poeta possui a maestria
Mas às vezes não acha paradeiro
Vai compondo e delineando os versos
Num trabalho contínuo e rotineiro
Onde a arte poética é semelhante
Ao barro nas mãos de um bom oleiro.

Fica sintonizado o tempo inteiro
Na frequência da boa inspiração
Dando asas à criatividade
Na dinâmica da imaginação
Procurando da verve abstrair
O melhor para a sua produção.

Vai do sonho à realização
Devagar como quem escala um monte
Lá em cima se o estro esvaziar
Para abastecê-lo desce à fonte
Depois alça um voo parnasiano
Ao país sideral do horizonte.

Autor: Zé Bezerra

Um comentário:

Mary disse...

Adoro a nossa cultura nordestina!

Amei vim aqui!