domingo, 6 de junho de 2010

DENÚNCIA DO MEIO AMBIENTE



















Eu devia estar crescendo
Estar me desenvolvendo
Para os problemas sendo
A solução que aflora
Mas por ser ignorado
Mal visto, mal conservado
Brutalmente maltratado
Faço uma denúncia agora.

Eu sempre só fiz o bem
Nunca ofendi a ninguém
Não sei porque é que tem
Tanta gente me ofendendo
Reluto, faço investida
Mas não encontro saída
De tanto sofrer na vida
Aos poucos estou morrendo.

Minha ruína é somente
Por causa de um ser vivente
Que se diz inteligente
Mas isso não é verdade
Que se fosse, tinha amor
Às obras do Criador
Não era um destruidor
Da biodiversidade.

Estou do homem falando
Dos seus atos reclamando
Ele não está respeitando
Ao que o Criador disse
Se ele cresce, eu não cresço
Se multiplica, eu padeço
Assim pago um alto preço
Por essa sua burrice.

Ele por pura ameaça
Só quer ver minha desgraça
Me faz engolir fumaça
Desmata e destroi a flora
Polui rio, mar e mais
Tentado por satanás
As espécies de animais
Uma a uma, ele devora.

Homem com sua dureza
Destruindo a natureza
Eu dele sou uma presa
Tenho o meu corpo marcado
Por mancha cinzenta e preta
Dos esgotos da sarjeta
Que dos males do planeta
Ele é o grande culpado.

Homem irracional
Escravo do capital
És ingrato e desleal
Insensato, inconsequente
Por tua selvageria
Ambição e covardia
Aqui quem te denuncia
Sou eu: O MEIO AMBIENTE!

Autor: Zé Bezerra

Um comentário:

helena bezerra de araujo disse...

Parabéns,por esta poesia tão bem pensada, você está muito craque está usando até ilustrações!
Esta sua poesia deve ser trabalhada como meio de conscientização para esta nova geração porque os que já estão com a mente formada nada mais resolve.
a cada dia que passa acituação do nosso planeta se cumplica.